Publicado 12 de Setembro de 2020 - 11h41

Por AFP

Neymar, atacante do PSG, anunciou neste sábado que assinou contrato com a marca alemã Puma, duas semanas depois de encerrar seu relacionamento com a Nike.

"Bem-vinda à família", tuitou a empresa de artigos esportivos com uma foto do jogador brasileiro, sem especificar a duração e o valor do contrato.

"Cresci assistindo a vídeos de lendas do futebol como Pelé, Cruyff, Eusébio e Maradona", que "todos jogaram com Puma", escreveu o atacante em uma carta publicada nas redes sociais.

"Por isso, a partir de hoje, tenho a honra de ingressar na marca que ajudou as maiores lendas do futebol a serem o que são", acrescentou Neymar.

As especulações sobre Neymar assinar contrato com a Puma eram intensas desde que o atacante encerrou, no fim de agosto, sua relação com a Nike.

A marca americana de artigos esportivos tinha contrato com o brasileiro desde que ele tinha 13 anos. A Nike também patrocinador o PSG.

Na quinta-feira, Neymar deu indícios sobre seu futuro contrato, ao publicar uma foto ao lado da estátua de um puma.

A Puma fornece material esportivo para a seleção da Itália, o Manchester City e o Milan, além do atacante francês Antoine Griezman. Mas desde a aposentadoria do velocista jamaicano Usain Bolt, a marca alemã não tinha em sua lista de embaixadores um atleta de fama planetária como Neymar.

Desta forma, a Puma (cujo faturamento é de 6,5 bilhões de dólares), que também conta com Lewis Hamilton, passa a ter um nome de maior destaque internacional.

Na Nike, líder mundial em roupas esportivas (46,3 bilhões de dólares em faturamento em 2019), Neymar dividia os holofotes com outros atletas como LeBron James (basquete), Rafael Nadal (tênis), Serena Williams (tênis), Cristiano Ronaldo, Kylian Mbappé, Luka Modric, Sergio Ramos (todos do futebol)... .

A imprensa brasileira afirmou que o último contrato assinado por Neymar com a Nike tinha duração de 11 anos, expirando em 2022, e girava em torno de 105 milhões de dólares.

A revista Forbes, que coloca o atacante do PSG em 7º lugar entre as celebridades mais bem pagas do mundo, estima sua receita para este ano em 95,5 milhões de dólares, incluindo acordos de patrocínio.

Para a Puma, que viu suas vendas caírem em 2020 devido à pandemia (-16,3% no primeiro semestre), esse contrato pode ser bem sucedido no médio prazo.

"As pessoas já começaram a praticar mais esporte, mesmo em circunstâncias difíceis. Muitos elementos indicam que saúde e esporte serão ainda mais importantes do que antes", informou a empresa ao apresentar seus últimos resultados trimestrais.

E acaba de ser feito com um atleta de nível mundial, objeto da transferência mais cara do mundo (222 milhões de euros, 262,8 milhões de dólares) do FC Barcelona para o PSG em 2017), que calçará as suas chuteiras "King".

O brasileiro de 28 anos tem 142 milhões de seguidores no Instagram e 63 milhões no Facebook, uma exposição preciosa para seus patrocinadores, como Red Bull, DAZN, Diesel ou Qatar Airways.

Escrito por:

AFP