Publicado 11 de Setembro de 2020 - 23h41

Por AFP

O governo da Colômbia pediu perdão nesta sexta-feira pela violência policial que matou um homem anteontem, sem conseguir frear protestos que, em dois dias, já deixaram 13 mortos, a maioria supostamente baleados em confrontos com forças públicas.

"Estou farto do abuso da polícia. Temos que mostrar que o povo está furioso, embora eu veja policiais e sinta medo", declarou o músico Camilo Medina, 20, que voltou a protestar nas ruas.

Menos cheias que nos dias anteriores, as manifestações avançavam hoje pelo terceiro dia consecutivo em Bogotá e Medellín, entre outras cidades, com choques esporádicos entre manifestantes e policiais.

Em uma tentativa de aplacar os protestos, o ministro da Defesa, Carlos Holmes Trujillo, pediu perdão público, em nome da polícia, por um caso de brutalidade policial que custou a vida de um homem e deflagrou violentos protestos que deixaram 11 mortos. Acompanhado dos comandos policiais, o ministro manifestou sua "dor e indignação" pela morte de Javier Ordóñez, 43 anos, em um bairro do oeste de Bogotá nesta quarta-feira.

"A Polícia Nacional pede perdão por qualquer violação da lei, ou desconhecimento das normas, em que tenha incorrido qualquer um dos membros da instituição", declarou o ministro. A polícia colombiana responde à pasta da Defesa.

A defesa da vítima afirma que os policiais "massacraram" Ordóñez a golpes, no posto policial para onde ele foi levado. Lá, foi submetido a repetidos choques com uma arma elétrica. "Tenho as fotos de como a vítima ficou (...) Javier foi massacrado. Cometeu-se um crime de homicídio agravado e um delito de tortura pelo menos, um abuso de autoridade", declarou o advogado Vadith Gómez à Blu Rádio.

O certificado de óbito não foi revelado, mas veículos da imprensa local disseram ter dito a informações que confirma a declaração do advogado da defesa.

Enquanto avança a investigação penal na Procuradoria, a polícia abriu um processo interno contra dois agentes "pelo suposto delito de abuso de autoridade e de homicídio", acrescentou Holmes Trujillo. Também "decidiu-se suspender outros cinco policiais", completou.

A morte de Ordóñez, um engenheiro que estava perto de concluir seus estudos de Direito, deflagrou violentos protestos contra a violência policial que deixaram 11 mortos, além de desencadear uma onda de ataques contra postos de polícia em Bogotá.

Iniciados na quarta-feira, os protestos ontem se espalharam para outras cidades, como Cali e Medellín, onde também houve fortes confrontos entre manifestantes e policiais.

- "A quem obedecem?" -

A prefeita de Bogotá, Claudia López, opositora do governo, afirmou ter "provas sólidas do uso indiscriminado" da força e de armas de fogo por policiais contra os manifestantes. Vídeos que circulam nas redes sociais, alguns deles compartilhados por autoridades, mostram policiais que são atacados e respondem com tiros.

Claudia tuitou hoje que houve mais oito feridos ontem por armas de fogo, e voltou a sugerir que, por trás do ocorrido, estão integrantes das forças públicas. "Desobedeçaram ordens expressas e públicas da prefeitura. A quem obedecem, então?", questionou.

O presidente Iván Duque prometeu hoje investigar os supostos abusos policiais e reprovou os ataques à polícia. "É doloroso ver esses atos de vandalismo e violência após estes meses dolorosos de pandemia", declarou na TV.

Escrito por:

AFP