Publicado 11 de Setembro de 2020 - 19h21

Por AFP

O Brasil superou, nesta sexta-feira, 130 mil mortes por coronavírus, de acordo com dados oficiais que confirmam uma desaceleração da pandemia, mas que não removem os temores de uma recaída.

O Ministério da Saúde comunicou 874 mortes e 43.178 infecções nas últimas 24 horas, elevando o saldo a 130.396 óbitos e 4.282.164 contaminações.

O país, com 212 milhões de habitantes, é o segundo com mais mortes por covid-19, superado apenas pelos Estados Unidos, e o terceiro em número de casos, atrás dos Estados Unidos e da Índia.

A média diária de mortes é de 696 considerando os últimos sete dias, número que confirma que a onda letal perdeu intensidade.

Do início de junho ao início de agosto, o país se manteve num platô que raramente ficava abaixo das 1.000 mortes diárias em médias semanais.

"Os modelos sugerem que o pico da epidemia já passou (...) e está no início de uma queda, embora ainda em níveis bastante elevados e inaceitáveis", disse o imunologista Guilherme Werneck, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), em seminário organizado esta semana pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Tanto o aumento do número de mortos quanto a atual vazante se deram de forma desigual e confusa, devido ao tamanho do país e à falta de coordenação nacional para enfrentar a tragédia.

O presidente Jair Bolsonaro, que minimizou a pandemia, foi um crítico feroz das medidas de quarentena impostas por estados e grandes cidades, citando seu impacto econômico.

js/jm

Escrito por:

AFP