Publicado 23 de Setembro de 2020 - 16h12

Por AFP

Um grupo de dissidentes sauditas exilados em países como Grã-Bretanha e Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira a criação de um partido, o primeiro movimento de resistência contra o regime do rei Salman.

A Arábia Saudita é uma monarquia absoluta que não tolera qualquer oposição política, e a criação deste partido ocorre em um contexto de crescente repressão contra os dissidentes.

As autoridades não reagiram a este anúncio até o momento.

"Anunciamos a criação do Partido da Assembleia Nacional, que visa instituir a democracia como forma de governo no reino da Arábia Saudita", explicaram os dissidentes em nota.

O partido é liderado pelo ativista de direitos humanos Yahya Assiri em Londres, e seus membros incluem o acadêmico Madawi al Rasheed; o pesquisador Saeed bin Nasser al Ghamdi; Abdullah Alaoudh, baseado nos Estados Unidos; e Omar Abdulaziz, que reside no Canadá, informaram à AFP fontes próximas ao partido.

Essa vertente política representa, segundo especialistas, um novo desafio para os líderes sauditas, que enfrentam a queda dos preços do petróleo e se preparam para receber o G20 em novembro.

"Lançamos este partido em um momento crítico para tentar salvar nosso país [...], estabelecer um futuro democrático e responder às aspirações de nosso povo", disse à AFP Yahya Assiri, que ocupa o cargo de secretário-geral do partido.

Assiri, um ex-oficial da Força Aérea Saudita, é o fundador da organização de direitos humanos ALQST, com sede em Londres.

A Arábia Saudita é alvo de críticas internacionais por seu histórico em direitos humanos. As críticas se tornaram mais acentuadas desde que Mohamed bin Salman, apresentado como reformador, se tornou príncipe herdeiro em 2017.

bur-ac/jz/mar/bc/jz/cc

Escrito por:

AFP