Publicado 23 de Setembro de 2020 - 7h52

Por AFP

Trinta e dois dias depois de ter sido internado em Berlim em coma induzido e em estado grave por um possível envenenamento, o líder opositor russo Alexei Navalny recebeu alta do hospital na terça-feira (22) e pode planejar o retorno a seu país.

"O estado de saúde do paciente melhorou tanto que a terapia intensiva foi interrompida", afirma um comunicado divulgado pelo Hospital Charité de Berlim.

"Observando a evolução do tratamento até agora e do estado atual do paciente, os médicos consideram que é possível um restabelecimento completo", completa a nota do hospital de Berlim.

O principal opositor ao Kremlin, de 44 anos, divulgou nos últimos dias várias fotografias, incluindo uma imagem ao lado de sua esposa no hospital, na qual aparece bem mais magro.

Não foram divulgadas informações sobre o local em que Nalvany prossegue com a recuperação, mas o principal crítico do governo russo poderia voltar a seu país em breve. O porta-voz do advogado e ativista afirmou, nos últimos dias, que ele nunca pensou em não retornar à Rússia.

"Com relação ao seu retorno a Moscou, como qualquer outro cidadão russo, ele está livre para fazê-lo a qualquer momento", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, de acordo com agências de notícias russas, após ser informado sobre a alta de Navalny.

No comunicado, os médicos explicam que não é possível saber com certeza as sequelas que Navalny terá a "longo prazo", devido ao provável envenenamento.

As relações entre a Rússia e os países ocidentais, especialmente com a Alemanha, foram afetadas pela questão Navalny. Moscou recebeu exigências de explicações sobre o ocorrido e autoridades europeias mencionaram a possibilidade de considerar "todo tipo de sanções", em caso contrário.

O opositor passou mal durante um voo entre a Sibéria e Moscou, em 20 de agosto. Após um pouso de emergência, Navalny foi internado em um hospital russo antes de ser levado para a Alemanha, por desejo de sua família.

Vários laboratórios especializados na Alemanha, na França e na Suécia determinaram que Navalny foi vítima de um envenenamento com uma substância neurotóxica do tipo Novichok, desenvolvida durante a época soviética para fins militares, o que as autoridades Moscou negam.

A equipe de Navalny afirma que foram encontrados vestígios de Novichok em uma garrafa retirada de seu quarto de hotel na Sibéria, onde estava para participar da campanha de apoio aos candidatos de oposição nas eleições locais.

Há algumas semanas, durante uma conversa com o colega francês Emmanuel Macron, o presidente russo, Vladimir Putin, descreveu o líder opositor com desprezo, informou o jornal "Le Monde".

Putin afirmou que Navalny já havia inventado problemas de saúde no passado e cometeu atos ilegais. Ele também justificou a ausência de uma investigação oficial na Rússia sobre o ocorrido, porque as autoridades de Berlim e Paris não enviaram a Moscou as análises efetuadas em seus laboratórios.

O chefe de Estado russo também mencionou outras possíveis pistas, como a participação da Letônia, país onde reside o inventor do Novichok, e sugeriu, inclusive, que Navalny poderia ter ingerido o veneno por conta própria por uma razão desconhecida.

O líder opositor, que denuncia há vários anos a suposta corrupção das elites russas, comentou as acusações de Putin em sua conta na rede social Instagram.

Escrito por:

AFP