Publicado 22 de Setembro de 2020 - 10h32

Por AFP

Condenado a 18 anos de prisão nesta terça-feira, o ex-magnata do mercado imobiliário chinês Ren Zhiqiang, conhecido por suas críticas ao governo, é o caso mais recente de personalidade a enfrentar o peso da campanha anticorrupção do presidente Xi Jinping.

Iniciada após sua chegada ao poder em 2013, a campanha é popular junto à opinião pública, mas também suspeita de servir para afastar personalidades contrárias à linha política oficial do Partido Comunista.

Aqui estão alguns dos peixes grandes que caíram em desgraça:

Ex-chefe todo-poderoso da metrópole de Chongqing (sudoeste), Bo Xilai foi condenado em 2013 à prisão perpétua por corrupção, em meio a um retumbante caso de assassinato que foi acusado de silenciar e que envolvia sua esposa.

O ambicioso e carismático político era, antes de sua queda, um dos principais líderes do Partido Comunista Chinês, a quem muitas vezes foi atribuído um futuro cargo nacional.

O "príncipe vermelho" Bo Xilai, que recebeu este título por ser filho de uma figura da revolução comunista, chegou a ser visto como um sério rival do atual presidente Xi Jinping.

Maior personalidade regime a cair em desgraça em quase 40 anos, ele se tornou, apesar de tudo, o troféu emblemático da campanha anticorrupção.

Zhou Yongkang exerceu controle de ferro sobre o aparato de segurança chinês por uma década.

Acusado por corrupção, abuso de poder e divulgação de segredos de Estado, Zhou foi condenado em 2015 à prisão perpétua durante um julgamento histórico.

Seu desaparecimento chegou às manchetes. O ex-presidente da Interpol Meng Hongwei desapareceu repentinamente em setembro de 2018.

Depois de 10 dias, Pequim anunciou que ele havia retornado à China e sido detido sob suspeita de corrupção. Foi condenado em janeiro a 13 anos de prisão.

A esposa de Meng Hongwei e seus dois filhos receberam asilo político na França no início de maio, de acordo com seu advogado. Sua esposa alega ter sido vítima de uma tentativa de sequestro.

Escrito por:

AFP