Publicado 24 de Setembro de 2020 - 13h04

Por Agência Brasil

Com audiência concorrida, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, foi nesta quinta-feira (24) à Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado para falar sobre declarações contra o regime de Nicolás Maduro feitas durante a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, a Roraima, na última sexta-feira (18).

O requerimento de convite para a ida do ministro ao colegiado foi motivado pelo fato de alguns parlamentares terem entendido que o secretário usou o Brasil para promover o presidente norte-americano Donald Trump, que está na reta final da campanha pela reeleição e ter feito declarações contra o regime de Maduro.

Tradução

Araújo rechaçou todas as críticas às declarações feitas na coletiva de imprensa ocorrida após visita. Para o brasileiro, um dos elementos mencionados pelo secretário Mike Pompeo foi objeto de polêmica por uma ?má tradução?. ?Foi traduzido que ele haveria dito: o nosso mundo está consistente. E a gente vai tirar essa pessoa e vai colocar no lugar certo", como se estivesse referindo a Nicolás Maduro. Na verdade, o que ele disse em inglês, eu vou tentar uma tradução melhor, foi: "nossa vontade é coerente, o nosso trabalho será incansável e chegaremos ao lugar certo", afirmou.

Para o chanceler, no contexto de toda a entrevista, fica claro que as afirmações foram feitas a partir de uma perspectiva humanitária, de defesa dos direitos humanos. Ao ressaltar que, para o Brasil, o governo da Venezuela é o de Juan Guaidó, também reconhecido por outros 56 países, ele garantiu ainda que nenhuma crítica foi feita diretamente ao povo venezuelano, ou contra o país vizinho.

?De forma nenhuma! Ofensa à Venezuela seria a gente ignorar o sofrimento do povo venezuelano. Nós temos total solidariedade pelo povo venezuelano. É uma nação amiga, é uma nação irmã, com uma tradição democrática imensa; terra de Bolívar, como se sabe. ??É importante que a gente não use a palavra Venezuela para se referir a esse bando de facínoras que ocupa o poder ainda na Venezuela, pelos quais a gente só tem desprezo ? e justamente, me parece. É importante esclarecer isso?, afirmou, em referência à Nicolás Maduro.

Metáfora

O chanceler brasileiro usou uma metáfora feita à época pelo senador Esperidião Amim (SC) para explicar as críticas feitas por ele e pelo secretário de estado americano na visita ao Brasil. Araújo negou que tenha recebido Mike Pompeu ?em sua casa?, para falar mal do vizinho [ Venezuela].

?Vamos supor, então, que nós, aqui no Brasil, estamos em uma rua e temos um vizinho que é muito amigo nosso. De repente, esse vizinho tem a casa dele invadida por um narcotraficante que praticamente escraviza o vizinho, prende no porão o vizinho e toda a sua família e ocupa essa casa do vizinho. Vamos supor que um dos filhos do vizinho consegue escapar, vem para o nosso terreno, nós o acolhemos e, então, recebemos um amigo de uma outra rua, que também é amigo do nosso vizinho, e vamos falar dessa situação. Então, o fato de nós falarmos dessa situação não é uma agressão ao nosso vizinho, é uma preocupação com o fato de que a casa do nosso vizinho foi tomada por um narcotraficante?, disse.

Na avaliação de Araújo, as críticas ?ao narcotraficante que tomou essa casa? não significa agressão ao vizinho. ?É o contrário: é o nosso dever de vizinhança e de solidariedade?, disse.

Escrito por:

Agência Brasil