Publicado 26 de Agosto de 2020 - 19h05

Sem a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, o governo lançou na manhã de ontem, o programa habitacional Casa Verde e Amarela, que substituirá o Minha Casa, Minha Vida. No evento, Guedes foi representado pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, que foi apelidado por Bolsonaro de "PG2", em referência ao ministro da Economia.

Durante o discurso que durou menos de cinco minutos, Bolsonaro usou parte do tempo para cumprimentar militares pelo Dia do Soldado. Ele defendeu que os integrantes das Forças Armadas possam "participar da política".

Depois, ao falar sobre o novo programa habitacional do governo, o presidente falou que "a bola está com o Congresso".

Ele também cumprimentou os ministros que atuaram no projeto e os parlamentares que vão analisar a MP. "O Parlamento agora recebe essa Medida Provisória e a aprovará, com toda certeza, e, se for o caso, fará aperfeiçoamentos", declarou.

"Além de vocês (ministros e parlamentares), (cumprimentar) o nosso prezado PG2, Pedro Guimarães, o presidente da Caixa, que não mede esforços para atender a nossa sociedade", disse Bolsonaro na sequência.

O presidente relembrou que, na infância, ele e a família tiveram que se mudar diversas vezes para poder "renegociar o aluguel" por não possuir casa própria. "Assim sendo, parabéns a todos que estão nessa empreitada. Nós estamos aqui para servir à pátria e ao povo brasileiro."

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que o programa habitacional Casa Verde e Amarela é vital para País. "Por que é vital para o País? Porque melhora aquilo que já existe, e algo fundamental nesse governo é melhorar programas que já existem", disse Guimarães durante a cerimônia de lançamento do programa habitacional Casa Verde e Amarela. "Não precisa reinventar a roda. O que é fundamental? É fundamental melhorar a eficiência de coisas que já funcionam", disse Guimarães. (EC)