Publicado 26 de Agosto de 2020 - 13h09

Por Carlos Rodrigues/AAN

Thiago Carpini diz que a responsabilidade pela má fase não é só dele

David Oliveira/Guarani FC

Thiago Carpini diz que a responsabilidade pela má fase não é só dele

A derrota para a Chapecoense — a quarta em cinco rodadas na Série B do Brasileiro — aumentou a pressão sobre o Guarani e também o nível das cobranças ao trabalho de Thiago Carpini. O treinador, que ontem completou um ano no comando do clube, fez várias mudanças no time titular, mas viu a equipe sofrer novamente com falhas defensivas e a falta de eficiência no ataque, com direito a dois pênaltis desperdiçados. Mas, apesar do momento conturbado, o técnico bugrino mantém o discurso otimista, não se sente ameaçado no cargo e acredita na recuperação.

Em Chapecó, Carpini trocou cinco peças e mexeu na configuração tática do time. No primeiro tempo, ia segurando o empate até o time falhar na bola aérea, levar o primeiro gol e, minutos depois, tomar o segundo. Na etapa final, as coisas se complicaram com a expulsão de Igor Henrique, mas o Guarani ainda teve a possibilidade de buscar o empate em duas penalidades máximas, mas elas foram desperdiçadas por Júnior Todinho e Giovanny. "De alguma forma vamos encontrar as soluções. A gente mexe, ajusta, dá as informações, mas precisamos da iniciativa e de cada um assumir a responsabilidade. A responsabilidade maior é minha, eles fazem o que eu mando, mas dentro de campo vai até certo ponto", disse o treinador. "Eu não acho que é possível reverter. Eu tenho certeza. Vamos dar a volta por cima. Confio no grupo e confio no trabalho que está sendo feito. A cada rodada que passa sem pontuarmos a pressão e responsabilidade aumentam, mas tenho certeza que vamos encontrar esse equilíbrio."

Apesar do momento conturbado e do péssimo início de campanha na Série B, o Conselho de Administração segue dando respaldo a Carpini. Hoje, inclusive, o presidente Ricardo Moisés convocou uma entrevista coletiva onde certamente falará sobre a situação da comissão técnica. Da parte do comandante, não há preocupação com qualquer risco de demissão. "Não me sinto ameaçado porque procuro sempre fazer o que for melhor para o Guarani e entendo que a diretoria faça da mesma maneira. Enquanto estiver à frente da equipe, sigo o trabalho e minhas convicções.

Esse momento vai calejando, criando casca e a gente vai retomar o caminho das vitórias." A delegação retornou ontem de Chapecó e hoje inicia a preparação para o jogo com o Náutico, sexta-feira, no Brinco de Ouro. Dois desfalques são confirmados: o volante Igor Henrique cumprirá suspensão pela expulsão na terça e o atacante Waguininho também está fora por ter recebido o terceiro cartão amarelo. (Carlos Rodrigues/AAN)

Escrito por:

Carlos Rodrigues/AAN