Publicado 27 de Agosto de 2020 - 7h55

Por Daniel de Camargo

Muita gente perdeu a viagem no Poupatempo por não saber que o atendimento é apenas com agendamento

Wagner Souza/AAN

Muita gente perdeu a viagem no Poupatempo por não saber que o atendimento é apenas com agendamento

Uma fila gigantesca formada por pessoas que buscavam acessar serviços do Poupatempo instalado no Campinas Shopping, no Jardim do Lago, em Campinas, ocupou parte do estacionamento do empreendimento na manhã de ontem, quando o programa do governo paulista retomou o atendimento presencial nesta e em outras 11 unidades. Por causa da pandemia da Covid-19, as 76 repartições foram fechadas em 21 de março, e desde quarta-feira passada estão sendo reabertas gradativamente. Agora, também com os serviços do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) incorporados.

Com o objetivo de minimizar os riscos de transmissão, só foi liberada a presença de quem tem horário agendado e de acompanhantes em casos de crianças, idosos ou pessoas com deficiência. Contudo, muitos estavam desinformados sobre o controle de acesso e, por isso, foram até o local. Para ser atendido, é necessário agendamento prévio por meio do portal http://www.poupatempo.sp.gov.br ou pelo aplicativo Poupatempo Digital.

Além disso, como a adoção de medidas de prevenção e protocolos sanitários, a capacidade de atendimento foi reduzida para 30%, priorizando serviços que necessitam da presença do cidadão para serem concluídos, como primeira habilitação e expedição de RG, por exemplo.

Em seu site, o Poupatempo informa que o uso de máscaras de proteção é obrigatório, assim como a medição de temperatura e higienização das mãos com álcool em gel na entrada das unidades. A manutenção do distanciamento entre as pessoas foi reforçada com sinalização nos bancos de espera, marcações no chão e orientação. Como a fila extrapolou o espaço da repartição, que fica num andar inferior do shopping, em diversos momentos não foi respeitada, no estacionamento, a distância recomendada.

Euclides Pereira, motorista de 42 anos, morador do Jardim Nova Esperança, na região do Campo Grande, disse que chegou por volta das 8h e que as 10h foi informado que a capacidade de atendimento já estava esgotada. Ele não sabia que o acesso à unidade estava restrito aos agendamentos. Se mostrou bravo por ter pago, desnecessariamente, R$ 10 para deixar o carro no estacionamento, e comentou que a fila chegou a ter mais de 300 pessoas. Entre elas, moradores de outras cidades da região, como Indaiatuba.

Outro lado

Murilo Macedo, diretor da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp), que administra esse programa, afirmou que uma força-tarefa foi feita ontem, de modo a orientar e auxiliar quem estava na fila. Entretanto, reforçou que o atendimento é apenas com agendamento. Informou que foram disponibilizados 650 atendimentos diários para Campinas. Até 2 de setembro, não há mais vagas. Contudo, o executivo frisou que mais de 70 serviços ofertados pelo programa podem ser realizados no Poupatempo digital, sem que o cidadão precise sair de casa. Comentou também muitas pessoas estão desinformadas sobre os serviços fornecidos atualmente e sua real necessidade. Para quem agendou, a recomendação é que chegue com antecedência de 30 minutos. Macedo pede ainda que quem conseguir agendar, compareça ou libere a vaga.

O Campinas Shopping informou, em nota, que os seguranças do empreendimento orientam todos os visitantes a fim de evitar aglomeração nas filas de acesso ao Poupatempo. “Porém, houve insistência dos visitantes em permanecer no local, mesmo sendo informados do procedimento correto e a necessidade de agendamento prévio”, ressalta o texto.

No momento, a unidade do Poupatempo instalada no Campinas Shopping é a única de Campinas. A que funcionou na Avenida Francisco Glicério por cerca de 22 anos foi fechada na última semana de maio. Segundo a Prodesp, devido ao fim do contrato com a terceirizada Esperança, que era responsável pelo atendimento. Em torno de 150 funcionários foram dispensados.

A companhia analisa a possibilidade de instalar uma repartição no Paço Municipal. A estrutura é um pedido da população que reclamou por perder o atendimento na região central, de mais fácil acesso. Se confirmada essa implantação, será cumprida promessa feita pelo Estado em meados de 2019. Na oportunidade, foi divulgado que cinco municípios, entre eles Campinas, haviam sido selecionados para receber um novo modelo do serviço, mais moderno. “Em breve, devemos ter notícias boas”, disse o diretor da Prodesp, Murilo Macedo.

Escrito por:

Daniel de Camargo