Publicado 26 de Agosto de 2020 - 12h41

Por Maria Teresa Costa

Entre 19 de agosto e ontem, Campinas somou 2.074 novos casos de coronavírus, média diária de 296 em sete dias: média anterior era de 370

Wagner Souza/AAN

Entre 19 de agosto e ontem, Campinas somou 2.074 novos casos de coronavírus, média diária de 296 em sete dias: média anterior era de 370

Os registros de novos casos diários de infectados pelo novo coronavírus e de mortes por Covid-19 em Campinas tiveram queda nos últimos sete dias, o que aponta para uma curva decrescente de casos e estabilidade nas mortes. Campinas confirmou ontem mais 402 pessoas infectadas, elevando para 26.605 o total de casos desde o início da pandemia, e mais 17 mortes, somando agora 973 óbitos.

Entre 19 de agosto e ontem, a cidade somou 2.074 novos casos, média diária de 296 em sete dias. Essa média é 19,9% menor que a registrada entre 12 e 18 de agosto, quando ocorreram 370 confirmações diárias. Já as mortes tiveram ligeira queda, de 4,9%. Nos últimos sete dias foram confirmados 72 novos óbitos, média de 10,2 por dia. Na semana anterior, de 12 a 18 de agosto, foram 75, com média diária de 10,7.

Segundo especialistas, se a variação for de até 15%, é considerado estável. Se for acima de 15% positivos, está em crescimento. Se for mais de 15% negativos, está em queda.

O aumento de casos totais de Covid-19, avalia o sanitarista Ricardo Correa, está relacionado ao crescimento da capacidade de testagem da população que ocorreu com as mudanças de critérios de aplicação dos testes. "A testagem dos casos de síndromes gripais permitiram encontrar aquelas que estavam infectadas pelo coronavírus e buscar também as pessoas que tiveram contato com elas para serem investigadas. Na confirmação, o tratamento é logo iniciado, o que evita o agravamento da doença, reduzindo, em consequência, internações e mortes", afirmou.

A Região Metropolitana de Campinas (RMC) chegou ontem a 61.021 casos confirmados desde o início da pandemia e a 1.866 mortes. A média de novos casos diários nos últimos sete dias foi de 672, uma queda de 24,6% em 14 dias. Já as mortes registraram média diária de 20 óbitos, queda de 25,5% em duas semanas. Esses números mostram que o conjunto das 20 cidades da região está em queda em novos casos e mortes.

A taxa de letalidade em Campinas, que mede a proporção de mortes em relação aos casos confirmados, está em 3,6%, enquanto na RMC, em 3,06. Na região, a menor taxa é de Holambra, de 0,85%, e a maior, de Nova Odessa, de 5,13%.

Balanço

Campinas contava ontem com 376 pessoas internadas com Covid-19 — sete a menos que o verificado na segunda-feira. Tinha, ainda, 384 pessoas em isolamento domiciliar — 19 a menos em relação ao boletim anterior. A secretaria informou ainda que 24.872 pessoas se recuperaram a doença — 411 a mais em comparação com o dia anterior. Dos 17 óbitos registrados ontem, 10 eram do sexo masculino e 16 das vítimas fatais tinham mais de 60 anos.

Ontem, a cidade contava com 379 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19 nas redes pública e particular. Deste total, 283 estavam ocupados, o que correspondia a 74,67%. Havia 96 leitos livres somando as redes pública e particular.

O maior problema estava no SUS Estadual - que reúne os leitos do AME (Ambulatório Médico de Especialidades) e do HC da Unicamp - que chegou ao índice de 83,3% de ocupação. Dos 78 leitos disponíveis, 65 estavam ocupados.

O SUS Municipal estava um pouco melhor. Dos 154 leitos disponíveis, 124 estavam ocupados, o que equivale a 80,52%. Na rede particular, havia 147 leitos, dos quais 94 estavam ocupados, o que equivale a 63,95%.

Escrito por:

Maria Teresa Costa