Publicado 25 de Agosto de 2020 - 12h22

Por Alenita Ramirez

A briga teria sido motivada por uma rixa antiga e levou pânico aos passageiros

Divulgação

A briga teria sido motivada por uma rixa antiga e levou pânico aos passageiros

Uma briga dentro de um ônibus coletivo culminou em três homens feridos, na tarde desta segunda-feira (24), em Itatiba. Um idoso de 70 anos estava armado de uma faca. O trio sofreu ferimentos leves, foi detido e liberado após prestar depoimento. A briga teria sido motivada por uma rixa antiga e levou pânico aos passageiros, que gritaram para o motorista parar o coletivo e todos correram. As polícias Civil, Militar e a Guarda Municipal (GM) foram acionadas para atenderem a ocorrência.

A briga foi por volta das 16h40 em um coletivo que faz a linha Terminal Central ao Terminal Luvison. No ônibus havia cerca de 15 passageiros, inclusive os três envolvidos. O veículo público fazia o itinerário bairro quando em dado momento, segundo um dos suspeitos, um jardineiro de 39 anos, teria sido atacado por um ajudante de pedreiro de 40 anos, pelas costas. O ajudante estava na companhia do pai, de 70 anos. O Jardineiro afirma que estava de pé quando foi “rendido” pelo ajudante. “O filho me segurou para que o pai, armado de faca, me furasse na barriga. Para me defender entrei em luta corporal e tirei a faca da mão do pai”, contou. “Conforme peguei a faca, cortei minha mão. O filho do homem chegou a me morder no braço. Eu fui atacado e acabei saindo como o criminoso. Os agressores saíram primeiro do que eu da delegacia. A polícia me manteve sentado em um banco até as 22h da noite porque o pai e o filho disseram que estava com medo de mim. Será que eu tinha que deixar eles me matarem para ser vítima?”, acrescentou e indagou o jardineiro.

De acordo com o jardineiro, a rixa teria começado com reclamações dele para o idoso sobre atitudes do ajudante de pedreiro. Todos moram no mesmo conjunto habitacional e eles voltava para casa quando a briga aconteceu. Segundo o jardineiro, o ajudante de pedreiro é usuário de drogas e tem o hábito de aprontar no conjunto habitacional. E que devido as atitudes contrárias do homem, ele se enfezou e presou queixas para o pai, que apoiaria o filho no atos. “Desde minha queixa os dois ficaram com raiva de mim. O pai apoia o filho, mas não posso apoiar erros. Moro com minha mãe idosa e um filho pequeno e não posso aceitar certas coisas”, disse.

O caso foi registrado como lesão corporal. A reportagem tentou falar com o idoso e o filho, mas não conseguiu contato via telefone.

Escrito por:

Alenita Ramirez