Publicado 28 de Agosto de 2020 - 10h45

Por AFP

O presidente de Belarus, Alexandre Lukashenko, que enfrenta protestos inéditos em seu país, acusou países ocidentais, nesta sexta-feira (28), de quererem derrubá-lo para enfraquecer a Rússia.

Para o Ocidente, "Belarus é apenas um trampolim para a Rússia, como sempre", disse ele, de acordo com a agência de notícias estatal Belta.

"Ao contrário de Hitler, que enviou seu Exército para Moscou, eles buscam quebrar o poder no lugar, substituí-lo por um novo que pedirá ajuda militar de outro país e enviará tropas", acrescentou.

Ontem, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que está pronto para enviar homens para Belarus, se os protestos contra a polêmica reeleição de Lukashenko em 9 de agosto terminaram em uma onda de violência.

Em julho, Lukashenko havia acusado Moscou de tentar subjugar seu país, enviando mercenários para desestabilizá-lo e interferir nas eleições. Diante de manifestações sem precedentes, buscou, porém, a ajuda de Putin e mudou seu discurso, agora acusando os países europeus.

O presidente bielo-russo também disse, nesta sexta, que vai impor sanções contra Polônia e Lituânia, que expressaram seu apoio aos manifestantes e acusaram seu governo de cometer fraude eleitoral e recorrer à violência policial.

Milhares de bielo-russos saíram às ruas nas últimas três semanas contra o que consideram uma reeleição fraudulenta de Lukashenko, alegando que quem venceu foi a opositora Svetlana Tijanóvskaya, agora refugiada na Lituânia.

A repressão aos manifestantes nos dias após as eleições deixou três mortos, dezenas de feridos e mais de 7.000 presos.

bur/alf/pop/bds/mis/eg/tt

Escrito por:

AFP