Publicado 27 de Agosto de 2020 - 6h52

Por AFP

A Assembleia Nacional (Parlamento) da Coreia do Sul fechou as portas nesta quinta-feira (27) e um grupo de deputados entrou em quarentena de modo voluntário pelo temor de propagação do coronavírus, no momento em que o país registra uma aceleração dos contágios diários.

As autoridades do Parlamento tomaram a decisão depois que um repórter fotográfico que cobriu a reunião de quarta-feira do governante Partido Democrático testou positivo para COVID-19.

Dez dirigentes do partido, incluindo o presidente e o líder da bancada parlamentar, serão submetidos a testes e permanecerão em isolamento.

O fotógrafo teve contato na quarta-feira com quase 50 pessoas, incluindo 32 deputados e líderes políticos.

Este é o segundo fechamento do Parlamento por coronavírus. O primeiro aconteceu em fevereiro, quando uma pessoa que participou em uma atividade no local foi diagnosticada com a COVID-19.

A Coreia do Sul foi considerada um exemplo na gestão da crise do coronavírus por ter conseguido controlar a situação com a estratégia de aplicação de testes e rastreamento dos contatos dos infectados.

Desde meados de agosto, no entanto, o país registra novos focos, a maioria vinculados às igrejas protestantes.

Nesta quinta-feira, o número de contágios superou três dígitos pelo 14º dia consecutivo, o que elevou o balanço nacional desde o início da pandemia a 18.706.

As autoridades informaram 441 novos casos nas últimas 24 horas, a maioria na região da grande Seul, onde vive metade dos 52 milhões de habitantes do país. Este foi o maior aumento diário em seis meses.

kjk/slb/axn/juf/pz/mis/af/fp

Escrito por:

AFP