Publicado 26 de Agosto de 2020 - 17h13

Por AFP

Após um discurso muito criticado na convenção republicana de 2016, a primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, tem mantido uma postura muito discreta nos atos públicos em apoio à presidência do marido.

Na noite de terça-feira, no entanto, seu discurso calmo e compassivo, que tratou da pandemia de COVID-19 e tensões raciais à crise dos opioides, lhe rendeu um amplo reconhecimento.

Era óbvio que a primeira-dama expressaria seu apoio à reeleição de Donald Trump, mas o que surpreendeu foi que transmitisse compaixão, algo que tanto o presidente republicano quanto seu círculo mais próximo expressam raramente.

"Minhas mais profundas condolências vão para todos os que perderam um ser amado e minhas orações estão com aqueles que estão doentes ou sofrendo", disse, em um aguardadíssimo discurso na Casa Branca.

"Sei que muitas pessoas estão ansiosas e algumas se sentem impotentes. Quero que saibam que não estão sozinhas", acrescentou.

O tom e a mensagem de Melania marcaram um claro contraste com a dureza e agressividade dos filhos de Trump, Eric e Tiffany, que a precederam como oradores.

Também estiveram ausentes nas palavras da primeira-dama as alegações auto-elogiosas sobre a gestão da crise sanitária, o desprezo aos críticos e às ameaças a manifestantes que tomaram as ruas, inclusive os seguidores do movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam).

No lugar, a ex-modelo de origem eslovena recorreu a um toque afetuoso e pessoal, com o objetivo aparente de abrandar o tom de um presidente confrontador.

Durante sua fala, ela compartilhou a própria história como migrante, sua chegada aos Estados Unidos na década de 1990 e como se tornou cidadã de seu país de acolhida, o orgulho que sentia por ter cumprido seu "próprio sonho americano".

Melania usou, inclusive, uma palavra que nunca sai da boca de Trump ou de outros membros de sua equipe de governo: "erros".

"Como todos vocês, tenho refletido sobre o mal-estar racial no nosso país. É uma dura realidade de parte da nossa história da qual não nos orgulhamos", disse Melania. "Ao invés de jogar as coisas por terra, reflitamos sobre nossos erros".

As palavras da primeira-dama mostraram um salto de qualidade importante em relação ao seu discurso na convenção republicana de 2016, quando foi acusada de plagiar trechos de um discurso de Michelle Obama, esposa do então presidente Barack Obama.

"Ouvir [Melania Trump] reconhecer a devastação da COVID-19 faz [a gente] virar o pescoço", declarou no Twitter o experiente analista político David Axelrod, que também se disse surpreso porque o discurso da primeira-dama incluiu a admissão de "erros" e mencionou "escutar os outros".

O discurso de Melania é "completamente oposto à abordagem de seu marido", acrescentou Axelrod.

Funcionários da Casa Branca disseram à imprensa americana que a primeira-dama preparou o discurso sem a ajuda de escritores profissionais e usou suas próprias palavras.

Escrito por:

AFP