Publicado 26 de Agosto de 2020 - 11h43

Por AFP

Ruanda emitiu uma ordem de prisão internacional contra o chefe da inteligência militar durante o genocídio de 1994, e contra o qual a França, onde ele poderia estar, abriu recentemente uma investigação preliminar por "crimes contra a humanidade", anunciou o MP do país.

"Emitimos uma ordem de prisão internacional contra Aloys Ntiwiragabo, suspeito de genocídio, afirmou o procurador-geral ruandês Aimable Havugiyaremye.

Um meio de comunicação francês afirmou recentemente que Havugiyaremye foi encontrado no país europeu.

"Investigamos o caso e trabalhamos com a unidade francesa responsável por combater os crimes de guerra e crimes contra a humanidade", disse o procurador.

A investigação na França foi aberta no fim de julho após a publicação de uma reportagem no site de notícias Mediapart que afirmava ter encontrado o homem, de 72 anos, perto de Orleans (região central do país).

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR) já havia emitido ordens de prisão contra Ntiwiragabo, que foram retiradas há alguns anos, segundo uma fonte judicial francesa.

Ntiwiragabo é citado nos documentos de acusação do TPIR de 1998 contra pessoas suspeitas de participar no genocídio em Ruanda.

O genocídio cometido em 1994 em Ruanda, pelo regime extremista hutu então no poder, deixou 800.000 mortos entre abril e julho daquele ano, essencialmente da minoria tutsi, mas também hutus moderados, de acordo com a ONU.

str-fb/cyb/bc/mar/fp

Escrito por:

AFP