Publicado 25 de Agosto de 2020 - 14h13

Por AFP

O "poliovírus selvagem", mais conhecido como pólio, foi declarado oficialmente "erradicado" do continente africano pela Organização Mundial da Saúde (OMS), após quatro anos consecutivos de esforços em massa de vacinação infantil e sem casos declarados no nordeste da Nigéria, uma região devastada pelo conflito contra os jihadistas do grupo Boko Haram.

"A Comissão de Certificação para a região África (ARCC), organismo da OMS, declarou que a transmissão do poliovírus selvagem foi interrompida" na África, afirmou seu presidente, Rose Leke.

"Graças aos esforços mobilizados pelos governos, profissionais de saúde e comunidades, mais de 1,8 milhão de crianças foram salvas desta doença", afirmou a OMS em um comunicado publicado antes do evento histórico, uma etapa crucial na erradicação mundial da enfermidade.

O anúncio oficial conta com a presença do diretor-geral da OMS, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, da diretora da organização para a África, Matshidiso Moeti, assim como dos bilionários filantropos Aliko Dangote e Bill Gates, entre outros.

"É uma vitória formidável, um alívio", declarou à AFP o doutor Tunjui Funshuo, do comitê Pólio Nigéria, da associação Rotary International.

"Há mais de 30 anos começamos este desafio. Dizer que estou feliz é um eufemismo!", disse o médico nigeriano, que dedicou a vida a esta causa.

Provocada pelo "poliovírus selvagem" (PVS), a poliomielite é uma doença infecciosa aguda e contagiosa que afeta principalmente as crianças. Ela ataca a medula espinhal e é capaz de provocar uma paralisia irreversível.

Era endêmica em todo planeta até o desenvolvimento de uma vacina nos anos 1950. Os países mais ricos tiveram acesso ao medicamento rapidamente, mas Ásia e África continuaram durante muitos anos como focos infecciosos.

Em 1988, a OMS contabilizava 350.000 casos no mundo e mais de 70.000, oito anos depois, apenas na África.

Graças a uma consciência coletiva incomum e a grandes esforços financeiros (19 bilhões de dólares em 30 anos), apenas dois países do mundo apresentam atualmente contágios de "poliovírus selvagem": Afeganistão (29 casos em 2020) e Paquistão (58 casos).

Até recentemente, a Nigéria, um país de 200 milhões de habitantes, também aparecia na lista. No início dos anos 2000, ainda era um epicentro da doença.

Na região norte, de maioria muçulmana, a pressão dos círculos salafistas interrompeu as campanhas de vacinação contra a pólio entre 2003 e 2004. Um boato afirmava que eram uma ferramenta de um grande complô internacional para esterilizar os muçulmanos.

As autoridades precisaram de um grande trabalho de conscientização com os líderes tradicionais e religiosos para convencer a população a vacinar os filhos.

Mas o conflito com o grupo extremista Boko Haram, em 2009, acabou com as esperanças de erradicar a doença na década passada. Em 2016, foram detectados quatro novos casos de poliomielite no estado de Borno (nordeste), foco da insurreição jihadista.

"Naquele momento, 400.000 crianças ficaram à margem das campanhas médicas, devido à violência", recorda o doutor Funsho.

A segurança continua extremamente volátil no nordeste da Nigéria, onde o Boko Haram e o Estado Islâmico da África Ocidental (Iswap) controlam grandes áreas, especialmente ao redor do Lago Chade.

Escrito por:

AFP