Publicado 19 de Junho de 2020 - 18h41

Por Adagoberto F. Baptista

Maria Teresa Costa

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O prefeito Jonas Donizette informou que há possibilidade de uma unidade hospitalar da região oferecer 200 leitos para atendimento de pacientes infectados pelo novo coronavírus e que solicitou a intermediação do Estado para efetivar a operação porque, segundo ele, até agora as ampliações de ofertas de leitos na cidade ocorreram com recursos da Prefeitura, com exceção dos aumentos na Unicamp e Ambulatório Médico de Especialidades (AME), que têm gestão estadual. Jonas não informou onde fica esse hospital.

A operação de um hospital regional é essencial, segundo o prefeito, para que o AME possa atender pacientes de Campinas. “A proposta que apresentei é que o Estado ajude a Prefeitura na parte financeira ou faça isso diretamente no hospital”, disse.

A demanda, levada ao governador João Doria (PSDB), tenta evitar o colapso no sistema de saúde da cidade, apesar da contratação de leitos na rede privada, da ampliação no Hospital de Campanha e na rede municipal.

Campinas, disse, está recebendo pacientes da região, mas com o crescimento de casos de Covid-19, é necessário um equipamento do Estado mais estruturado para os atendimentos regionais e, assim, dar um alívio no atendimento médico-hospitalar para Campinas. Além do AME, o Estado tem ainda a Unicamp em Campinas que recebe pacientes infectados pelo novo coronavírus.

O secretário de Saúde, Carmino de Souza, afirmou que os municípios da região estão enfrentando dificuldades para obter leitos de UTI e é importante que o Estado ajude a buscar alternativas para garantir atendimento para a Região Metropolitana de Campinas (RMC).

Além da RMC, Campinas também socorre pacientes de uma região mais ampla, das 42 cidades que integram a área do distrito regional de Saúde.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista