Publicado 19 de Junho de 2020 - 16h21

Por Adagoberto F. Baptista

Campinas supera 200 mortes e 5,2 mil casos

Da Agência Anhanguera

Fotos: Cedoc

Campinas registrou mais nove mortes pela Covid-19, segundo o boletim epidemiológico divulgado no meio da tarde de ontem pelo prefeito Jonas Donizette (PSB). Com isso, a cidade chega a 203 óbitos desde o primeiro registro de morte pelo novo coronavírus, em 30 de março. Outros 20 óbitos estão em investigação pelas autoridades sanitárias.

A cidade registrou ainda 502 novos casos da doença em comparação com o boletim divulgado na tarde de quinta-feira. Agora, Campinas tem 5.228 casos confirmados da doença. Há outros 513 que ainda estão sendo investigados.

Segundo o boletim divulgado ontem, 268 pessoas estão internadas com a doença – 17 a mais na comparação com o boletim anterior e outras 893 permanecem em isolamento domiciliar. Segundo a Secretaria de Saúde, a cidade tem hoje 3.864 pessoas recuperadas – 407 a mais que o boletim anterior.

A decisão do prefeito Jonas Donizette em voltar a fechar o comércio se deveu em grande parte ao rápido avanço no número de casos e de mortes, registrados na cidade neste mês de junho.

No dia primeiro de junho, por exemplo, Campinas contava com 1.735 casos da doença e chegou, 19 dias depois, a 5.228 – um aumento de 201% . O número de mortes também teve um aumento expressivo. Saiu de 78 no dia 1º de junho, para 203 agora – alta de 160%.

O prefeito chamou a atenção sobre o imapcto dessa evoluação na rede de saúde. “Tem sido muito alto o nosso índice de ocupação de leitos. Nós temos carregado, mas parece que quanto mais carrega, mas precisa. Parece que nós estamos enxugando gelo”, disse o prefeito.

O presidente da Rede Mário Gatti – que administra os hospitais municipais e a UPAs – Marcos Pimenta, repetiu a imagem. “Parece mesmo que estamos enxugando gelo. Para vocês terem uma ideia, nós abrimos 28 leitos na UPA Carlos Lourenço ontem às 10h e no final do dia já estavam todos ocupados”, relatou. Por causa disso, a Administração garantiu que fará novos esforços para a ampliação de leitos.

O secretário de Saúde, Cármino de Souza, diz que além do aumento no número de casos, a rede ainda foi atingida por um aumento nos casos de pacientes que tinham outras doenças.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista