Publicado 17 de Junho de 2020 - 17h01

Por Adagoberto F. Baptista

Maria Teresa Costa

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O governador João Doria (PSDB) anunciará manhã em qual fase do Plano São Paulo, as 17 regiões paulistas estarão, nas duas próximas semanas, na retomada gradual das atividades. A tendência é que os 42 municípios da região de Campinas permaneçam na fase laranja, apesar das crescentes confirmações de infecção e mortes pelo novo coronavírus e da ocupação de leitos. O que está evitando a regressão para a fase vermelha, onde apenas serviços essenciais funcionam, é o aumento de leitos de UTI. “Não fosse isso, o sistema de saúde da região já teria entrado em colapso”, disse o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

Segundo ele, a taxa de ocupação de UTIs na região estava em 65% na semana passada, subiu para 73% na terça-feira e para 76,6% ontem. Cerca de 100 respiradores estão sendo enviados à região, permitindo a ampliação de 551 para 700 leitos de UTI e a previsão é que, até o final de semana, cerca de mil leitos, incluindo aqueles sob gestão dos municípios estarão em operação.

O governador João Doria (PSDB) afirmou em live, ontem, que a Secretaria de Estado da Saúde está em contato permanente com a Unicamp e Campinas, e medidas serão determinadas para apoio à cidade. “Conversei com o Carmino (secretário municipal de Saúde, Carmino de Souza) e Campinas tem plano de colocar mais 100 leitos em operação até o final de semana, incluindo hospitais sob gestão municipal, Unicamp e Ambulatório Médico de Especialidades”, informou, o secretário estadual José Henrique Germann.

O governo alterou a cronologia de anúncios de reclassificação das regiões no Plano São Paulo. Elas ocorriam sempre às quartas-feiras e passarão as sextas, para evitar lapso de tempo entre as decisões e o início da nova fase, que começa sempre às segundas-feiras. Cada região permanece em uma fase por duas semanas, com exceção de situações que necessitem volta atrás no plano, para a fase vermelha.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista