Publicado 19 de Junho de 2020 - 13h41

Por Maria Teresa Costa


Cedoc/RAC

Apesar da alta taxa de ocupação de leitos, a região de Campinas permanecerá na fase laranja do Plano São Paulo de retomada da economia, mas o Estado recomendou em nota técnica que Campinas volte a fechar comércios e serviços por causa do crescimento de novos casos e ocupação de leitos, que estão em uma zona mais perigosa. O prefeito Jonas Donizette (PSDB) anunciará essa tarde se vai determinar o fechamento das atividades.

Valinhos já retrocedeu na flexibilização da economia porque não tem mais como ampliar leitos de UTI, e Jaguariúna também retrocederá, segundo informou hoje em live o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Marco Vinholi.

Ele anunciou também que mais cem respiradores estão sendo enviados para a região, que permitirá incremento importante de leitos de UTI. Na segunda-feira serão definido quais hospitais receberão os equipamentos.

A região, com 42 municípios, está nessa fase desde 1º de junho, com exceção de Campinas que iniciou a flexibilização uma semana depois, após avaliação do prefeito Jonas Donizette (PSB) da falta de garantias totais de que os leitos contratados estariam em operação na primeira semana do mês. A situação, no entanto, ainda é preocupante.

Os dados de regionais mostraram que as taxas de ocupação de leitos de UTI, novos casos confirmados e morte, internações ainda permitem manter a fase laranja. A avaliação específica de Campinas atingiu o alerta e a recomendação de fechamento das atividades não essenciais.

Assim, continuam proibidos na região a abertura de espaços públicos, bares, restaurantes, salões de beleza, academia, teatro e cinema, eventos com aglomerações, incluindo os esportivos, retomada de aulas presenciais e operação da capacidade das frotas de transportes.

No Estado, as regiões de Barretos, Presidente Prudente e Ribeirão Preto, que permanecem com funcionamento apenas dos serviços essenciais em funcionamento, o governo do Estado incluiu hoje na fase vermelha, as regiões de Registro e Marília.

O governador João Doria (PSDB) disse, em live hoje , que 164 novos respiradores foram enviados ao interior, que garantem ampliação de leitos de UTI. “Não há colapso no atendimento à saúde e não haverá”, disse.

Escrito por:

Maria Teresa Costa