Publicado 20 de Junho de 2020 - 10h12

Por AFP

Os habitantes de regiões com altitudes elevadas dos Andes da Bolívia e Peru resistiram melhor ao coronavírus que os compatriotas que moram ao nível do mar, o que chamou a atenção dos especialistas.

No Peru, segundo país com mais casos de coronavírus da América Latina, atrás apenas do Brasil, a pandemia provocou devastação nas cidades da costa, incluindo Lima, e na região de selva de Loreto, onde nasce o rio Amazonas.

Porém, menos de 10% dos contágios foram registrados na serra andina, acima dos 3.000 metros de altura, como em Cusco, que foi capital do império Inca, onde os casos são comparativamente poucos e o número de mortes mínimo.

"Registramos os casos que existem em cidades (andinas peruanas) como Cusco, Huaraz, Cajamarca, Cerro de Pasco, Abancay, Huancavelica e, efetivamente, existem menos casos", declarou à AFP Augusto Tarazona, diretor da Comissão de Saúde Pública do Colégio Médico do Peru.

"Nas cidades elevadas os casos são mínimos e a mortalidade é quase zero. Isto chamou nossa atenção", completa.

Na vizinha Bolívia acontece o mesmo: os contágios se concentram nas regiões de baixa altitude do leste: na tropical Santa Cruz e na região amazônica de Beni, na fronteira com o Brasil.

"A frequência de contágios é consideravelmente menor na Bolívia nas regiões de altitude, como La Paz (na zona andina), em comparação com o que se registra nas zonas baixas como Santa Cruz", explica à AFP o diretor de Epidemiologia do ministério da Saúde, Virgilio Prieto.

Os balanços oficiais do coronavírus nos dois países confirmam: na região de selva de Loreto há 7.953 contágios e 321 mortes, enquanto em Cusco, que tem população 50% maior, registra apenas 1.494 casos e 13 mortos.

Em Piura, na costa norte (com 1,8 milhão de habitantes), há 14.659 casos e 661 vítimas fatais, enquanto a andina Arequipa (1,4 milhão) registra 5.454 casos e 145 óbitos.

O índice de mortalidade em Loreto é de 4,04%, enquanto em Cusco é de 0,87%. Em Lambayeque, na costa norte peruana, alcança 5,79%, mas na andina Ayacucho 0,83%. Em Lima, na costa central, é de 2,42%.

Na Bolívia acontece algo similar: Santa Cruz tem 12.988 casos, enquanto La Paz, com quase a mesma população, registra 1.386. Santa Cruz e a amazônica Beni somam 68% das mortes pela pandemia no país.

Beni registra 3.326 casos, enquanto na andina Oruro são 443, apesar de uma população 20% maior.

O Peru, com 33 milhões de habitantes, registra mais de 244.000 casos de coronavírus e 7.461 mortes. A Bolívia, de 11 milhões, se aproxima de 21.500 casos, com 697 vítimas fatais.

A vida não é fácil na altitude andina, onde se desenvolveu a grande civilização inca.

Até o momento não existe uma resposta científica que explique o que acontece com o coronavírus em grandes alturas, mas chave estaria no sistema respiratório das pessoas que vivem em um ambiente com menos oxigênio, segundo cientistas.

Escrito por:

AFP