Publicado 20 de Junho de 2020 - 0h52

Por AFP

Os Estados Unidos libertarão Kassim Tajideen, responsável pelas finanças do Hezbollah, três anos após sua sentença de cinco anos, devido à sua saúde precária e aos riscos de infecção por COVID-19 na prisão, segundo documentos judiciai.

Em 28 de maio, o juiz Reggie Walton, do Tribunal Distrital Federal de Washington, aceitou o pedido de emergência de Tajideen por libertação compassiva, alegando que sua idade e "condições graves de saúde" o tornam particularmente vulnerável ao coronavírus em proliferação no sistema prisional americano.

Walton rejeitou os argumentos do Departamento de Justiça de que Tajideen era razoavelmente saudável para a idade de 64 anos e que a prisão em que ele estava não tinha casos de coronavírus.

Tajideen poderá retornar ao Líbano em algumas semanas.

De acordo com uma declaração judicial de 11 de junho arquivada pelo Serviço de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, ele foi libertado da prisão federal em Cumberland, Maryland, após uma quarentena de duas semanas por coronavírus e transferido para um centro de detenção no condado enquanto aguarda liberdade.

"Um voo fretado para o Líbano está programado para julho de 2020 e Tajideen está no documento", disse a ICE em um processo judicial.

A libertação e deportação de Tajideen provocaram especulações de que esta é uma resposta dos Estados Unidos à libertação do Líbano em março de Amer al-Fakhoury, um cidadão americano naturalizado e ex-membro de uma milícia pró-Israel.

A libertação de Fakhoury foi explicada pelo câncer avançado e pela ameaça representada pela pandemia de coronavírus.

Mas o advogado americano de Tajideen, William Taylor, rejeitou a sugestão de que se tratava de uma troca. pmh/bfm/mls/lp/lca

Escrito por:

AFP