Publicado 19 de Junho de 2020 - 15h22

Por AFP

O mundo entrou em uma "fase perigosa" da pandemia de coronavírus com o desconfinamento, alertou nesta sexta-feira (19) a Organização Mundial da Saúde (OMS), devido ao vírus que circula em alta velocidade na América Latina.

"O mundo entrou em uma fase nova e perigosa. Muitas pessoas estão obviamente cansadas de ficar em casa. Os países estão ansiosos para reabrir sua sociedade e economia", declarou o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O coronavírus avança constantemente e o número de mortos dobrou em um mês e meio. Desde que foi detectado na China em dezembro, infectou mais de 8,5 milhões de pessoas.

Brasil, com mais de 1.200 mortos, e México com 770, são os países que registraram mais mortes nas últimas 24 horas, de acordo com uma contagem da AFP.

No Brasil, o vírus não dá trégua. No país de 210 milhões de habitantes, há um total de 47.748 mortos e 978.142 casos positivos, sendo o segundo mais afetado pelo vírus depois dos Estados Unidos.

A China, que já havia recuperado alguma normalidade e onde o vírus parecia estar controlado, teme um novo surto da doença caso a pandemia continue a avançar na América.

As autoridades informaram hoje sobre 25 novos casos em Pequim, o que aumenta para 183 os casos nessa capital de 21 milhões de habitantes.

Esse novo surto forçou o governo comunista a impor o confinamento em vários bairros e a fazer testes de diagnóstico em milhares de habitantes.

"É possível que o vírus que recentemente gerou uma epidemia em Pequim tenha viajado de Wuhan para a Europa e agora retornado à China", estima Ben Cowling, professor do Centro de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong.

Outro dado científico, desta vez da Itália, revelou hoje que o novo coronavírus já estava nas águas residuais de Milão e Turim (norte) em dezembro passado, dois meses antes do primeiro paciente de COVID-19 ser registrado oficialmente.

Na Europa, continente mais castigado pela pandemia com mais de 190.000 mortes, os 27 líderes da União Europeia (UE) chegaram a um acordo nesta sexta para uma nova reunião em julho, a fim de tentar superar suas diferenças sobre um plano bilionário contra a profunda recessão causada pela pandemia, diante de apelos para ajam rapidamente.

Estados Unidos, país mais afetado pela pandemia com cerca de 120.000 mortos, registrou 687 óbitos nas últimas 24 horas, oitavo dia consecutivo com um saldo diário inferior a mil.

Escrito por:

AFP