Publicado 19 de Junho de 2020 - 8h03

Por Estadão Conteúdo

Num encontro com o repórter, no Festival de Cannes, Sofia Coppola admitiu que precisou ser muito forte para sobreviver ao vendaval de críticas negativas a sua participação como atriz em O Poderoso Chefão III, de seu pai, Francis Ford Coppola.

Virou diretora - autoral. Estreou com críticas positivas em As Virgens Suicidas, de 1999. Ganhou o Oscar - de melhor roteiro original - por Encontros e Desencontros, longa que também levou o Cesar, o Oscar francês, de melhor filme estrangeiro.

É a atração desta sexta, 19, no Telecine Cult, às 23h55. Lost in Translation. Literalmente, Perdidos na Tradução. Um ator que está em Tóquio para gravar um comercial, Bill Murray. Indicado para o Oscar, perdeu para o Sean Penn de Sobre Meninos e Lobos, de Clint Eastwood. A mulher de um fotógrafo que também está em Tóquio, a trabalho, e não tem tempo para ela, Scarlett Johansson.

Dois perdidos, solitários e com dificuldade para se comunicar na língua que não entendem. Sofia e suas personagens favoritas. Mulheres jovens, como ela.

Um filme muito bem escrito e realizado, rico em observações humanas e sociais. A pergunta que não quer calar - o que Bob/Murray sussurra no ouvido de Charlotte/Scarlett, no final?

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Escrito por:

Estadão Conteúdo