Publicado 18 de Junho de 2020 - 21h43

Por AFP

Três décadas de espera podem chegar ao fim na próxima segunda-feira. O Liverpool, cujo último título de campeão inglês remonta a 1990, pode conquistar a Premier League nesta rodada, desde que vença no domingo o clássico contra o Everton e o Manchester City perca na segunda.

Após mais de três meses sem futebol devido à pandemia do coronavírus, a bola rolou novamente nos campos ingleses na quarta-feira com dois jogos que haviam sido adiados antes da interrupção, uma espécie de aperitivo para o que milhões de fãs da Premier League em todo o mundo vão poder desfrutar: a reta final do campeonato com incríveis 90 partidas em menos de um mês e meio.

A vitória do Manchester City por 3 a 0 sobre o Arsenal impediu que o Liverpool se torne campeão neste domingo no derby.

Agora, para conquistar um título que não vence desde 1990 (quando a Premier League nem era chamada assim), os "Reds" terão que vencer o Everton (12º) no domingo e torcer pela derrota do City na segunda-feira contra o Burnley (10º).

Com essa combinação de resultados, o Liverpool superaria o City em 25 pontos, com apenas 24 para disputar.

Para evitar possíveis concentrações de torcedores comemorando o título, o técnico alemão do Liverpool, Jurgen Klopp, postou uma mensagem no site do clube pedindo para que festejem em casa.

"Posso prometer que notaremos o apoio de vocês (...) Isso significa que estaremos no estádio e vocês estarão em casa (...) Fiquem seguros, apoiem-nos em casa".

Depois de mais de três meses sem jogar e com um retorno progressivo aos treinos, a grande dúvida é a forma física em que todas as equipes estarão.

O City deu uma ideia na quarta-feira: "Foi uma partida típica depois de mais de dois meses sem jogar. Com muita energia no começo, mas depois quando tudo se acalmou, tivemos mais oportunidades", explicou seu treinador, Pep Guardiola.

Embora tudo pareça estar definido em relação ao título, a luta pelas posições europeias e para evitar o rebaixamento está emocionante.

Apenas nove pontos separam o Chelsea (4º) do Crystal Palace (11º) e, caso o recurso do Manchester City perante o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) devido à exclusão da próxima Liga dos Campeões por violar o "Fair-Play Financeiro" não prospere, até o quinto colocado jogaria a próxima edição da Champions.

Nesta luta, o Tottenham-Manchester United, que será disputado na sexta-feira, poderá ser decisivo, já que essa pode ser a última oportunidade para o time comandado por José Mourinho (oitavo e a quatro pontos dos "Red Devils") continuar com chances de ir à Champions.

O técnico português confirmou nesta quinta-feira que serão titulares Harry Kane, o sul-coreano Son Heung-min e o francês Moussa Sissoko que sofreram lesões sérias no início do ano e que não voltariam a jogar nesta temporada se não fosse pela pandemia.

Escrito por:

AFP