Publicado 18 de Junho de 2020 - 15h04

Por AFP

A menos de cinco meses das eleições nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump enfrenta crises em várias frentes e aparece atrás do seu rival democrata nas pesquisas, enquanto sua figura é severamente questionada por um livro e ele acumula derrotas na justiça.

O retorno da campanha oferece, no entanto, uma chance de recuperação.

A candidatura de Trump a um segundo mandato, que antes da pandemia de coronavírus parecia estar cada vez mais forte, é atualmente atormentada por obstáculos, em parte devido à gestão da crise da saúde e aos maciços protestos contra a violência policial e o racismo.

Agora, o presidente, que nunca havia disputado uma eleição antes de sua impressionante vitória em 2016, está enfrentando um intenso ataque de suas próprias fileiras, lançado por seu ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton.

"Não acho que ele seja apto para o cargo. Acho que não tem competência para fazer o trabalho", disse Bolton à ABC News, promovendo "The Room Where Happened", um livro cujo lançamento, programado para terça-feira, a Casa Branca tenta barrar na justiça.

No livro, Bolton alega que Trump pediu ajuda ao presidente chinês Xi Jinping para sua reeleição, que obstruiu a justiça, e considera que ele não é um forte rival do presidente russo Vladimir Putin.

Trump se defendeu chamando Bolton de "cachorrinho doente" e seu livro "pura ficção".

O presidente se esquivou de sua responsabilidade pela rápida disseminação do coronavírus, que até agora matou mais de 117.000 americanos e forçou uma desaceleração econômica traumática, culpando a China.

Quanto aos protestos de rua, disse que é uma rebelião orquestrada pela esquerda, rejeitando pesquisas segundo as quais o problema reside no racismo estrutural que afetaria a sociedade americana.

Com Bolton, no entanto, é diferente. O ex-conselheiro presidencial é um falcão republicano, que dedicou toda a sua vida à política externa. Pode-se dizer que está à direita de Trump e que, portanto, não é vulnerável aos ataques habituais do presidente.

Para piorar, o presidente sofreu dois contratempos em uma semana na Suprema Corte. Na segunda-feira, a mais alta corte do país consagrou o direito de milhões de funcionários de gays e transgêneros a usufruir de mecanismos de combate à discriminação e na quinta-feira validou as proteções acordadas pelo governo anterior para 700.000 jovens migrantes.

No sábado, Trump voará para Tulsa, Oklahoma, para seu primeiro comício de campanha desde que o coronavírus interrompeu as viagens e grandes concentrações em março.

Com sua experiência em programas de televisão e seu estilo populista natural, Trump se sente mais à vontade diante das multidões que o aplaudem do que nos cenários formais da Casa Branca.

O presidente está "muito animado para voltar à estrada", disse sua assessora Kellyanne Conway a repórteres na quarta-feira.

Trump espera que as 20.000 pessoas que se encontrarão para ouvi-lo deem um novo impulso à sua corrida pela reeleição, muito ameaçada pelo democrata Joe Biden, que claramente lidera as preferências da opinião.

Embora os americanos estejam saindo muito lentamente do confinamento, a campanha do magnata já está planejando outros eventos públicos.

Escrito por:

AFP