Publicado 16 de Abril de 2020 - 16h32

Por Adagoberto F. Baptista

Fotos: Wagner Souza

Gilson Rei

Da Agência Anhanguera

[email protected]

O Hospital Samaritano Campinas vai testar o uso da hidroxicloroquina – medicação para malária - e do antibiótico azitromicina para o tratamento em pacientes com Covid-19. Será o único hospital privado do município e da Região Metropolitana de Campinas (RMC) a atuar na realização de testes para tentar inibir a proliferação da doença.

Para verificar a eficiência dos medicamentos nos pacientes, a unidade hospitalar de Campinas estabeleceu uma parceria com o Instituto de Pesquisa Clínica de Campinas - que realiza estudos na área da Medicina - e com o Hospital Albert Einsten, de São Paulo.

Poderão, fazer uso dos medicamentos os pacientes internados acometidos pela Covid-19, que tenham idade acima de 18 anos e apresentem autorização pessoal ou autorização dos familiares. A ideia é de realizar 1,2 mil testes, com resultados entre 60 e 90 dias.

O cardiologista José Francisco Kerr Saraiva, diretor do Instituto de Pesquisa Clínica de Campinas, vai coordenar os estudos em conjunto com médicos do Hospital Samaritano Campinas. Segundo Saraiva, um dos testes engloba o uso da hidroxicloroquina com a azitromicina. Outro tipo de teste será apenas com o uso da hidroxicloroquina.

Saraiva destacou a importância da autorização. “Como todo medicamento, há efeitos colaterais. Os testes só serão administrados nos pacientes com o consentimento deles ou autorização das famílias”, explicou.

O estudo tem como meta principal reduzir a quantidade de vírus.“A droga funciona na diminuição da replicação viral, ou seja, ela diminui o aumento da quantidade de vírus dentro do organismo”, explicou o médico Hugo Bertipaglia, que também integra a equipe de profissionais e é coordenador da Unidade Coronariana e UTI Respiratória do Hospital Samaritano Campinas.

Os dois médicos estão otimistas e têm grandes expectativas. “Esperamos que os medicamentos nos ajudem no combate à doença e tire todo esse sofrimento e angústia nesses tempos tão difíceis”, disse Bertipaglia. “Em meio a toda essa pandemia é necessário estudos de tratamentos que possam nos dar respostas científicas. É uma iniciativa muito boa e que traz esperanças aos pacientes”, concluiu Saraiva.

Estrutura

Para o enfrentamento da pandemia do coronavírus – Covid-19, o Hospital Samaritano Campinas estruturou-se para atender e tratar os pacientes. A Unidade abriu um Pronto-Socorro Respiratório separado do Pronto-Socorro Geral, montou uma Ala de Internação Respiratória com 16 leitos e uma UTI Respiratória com 13 leitos. Estes leitos foram adicionados aos já existentes no hospital.

Outro Hospital do grupo Samaritano que também foi preparado para atender os pacientes com Covid-19 é o Santa Ignês, em Indaiatuba. Nele, também foi aberto um Pronto-Socorro Respiratório separado do Pronto-Socorro Geral. O Hospital tem Ala de Internação Respiratória com oito leitos e UTI Respiratória com 12 leitos. Os leitos são adicionais aos já existentes.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista