Publicado 16 de Abril de 2020 - 19h05

Misturar estilos musicais em uma embalagem “pop” é uma das principais características da cantora Iza. O fato de circular bem tanto pelas rodas de samba e a sofrência sertaneja quanto pelo “batidão” internacional e o elitismo da MPB deu à cantora a segurança para trabalhar com música na televisão. Depois de se divertir à frente do Só Toca Top, Iza agora comemora a escolha da Globo em exibir nas tardes de sábado a última temporada do Música Boa, programa apresentado por ela no Multishow ao longo do ano passado. “É maravilhoso rever esses encontros tão inspirados agora na tevê aberta. Amei a experiência de receber esses convidados e mais ainda de cantar com cada um deles. O Brasil é muito diverso e cabe tudo nesse formato”, avalia. Para a cantora, o fato de a Globo escalar um programa musical para ocupar um espaço que vem se tornando importante para a divulgação do trabalho de cantores e músicos nacionais sinaliza a importância de se ter produções do tipo na grade. “A música precisa de um espaço próprio nas emissoras. É bom para o público e movimenta a indústria. Afinal, a visibilidade da televisão é realmente poderosa”, acredita.

Surpresa com uma ligação no início de 2018, Iza não entendeu muito bem o convite do Multishow para assumir o comando do Música Boa. Na grade do canal pago desde 2014, e anteriormente apresentado por nomes como Anitta e Thiaguinho, o maior diferencial da produção é ser transmitida ao vivo e ter grande interação com as redes sociais. Mesmo ciente de seu poder de entreter plateias, Iza teve receio de aceitar o chamado do canal por conta de sua pouca experiência com as câmeras. Aos poucos, com a ajuda de um roteiro bem amarrado e a direção de Raoni Carneiro, a cantora conseguiu entender a dinâmica das apresentações e do posicionamento das câmeras dos Estúdios Quanta, localizado na Zona Oeste de São Paulo. “Não importa o quanto eu ensaie, na hora sempre fico nervosa. Tem toda uma correria nos bastidores e tudo é cronometrado. Porém, depois das primeiras canções, vou relaxando e curtindo o programa junto com os convidados e o público.” Com uma agenda lotada de shows e trabalhos na publicidade, Iza acabou tendo de fazer do Música Boa uma das prioridades de sua carreira. Mesmo sendo exibido apenas às terças, a cantora fazia questão de se envolver em alguns detalhes como a seleção de artistas e músicas de cada edição.

No ano passado, a televisão ocupou grande parte da agenda de Iza. Além das transmissões do Música Boa e do Só Toca Top, ela também acumulou a função de técnica do reality The Voice Brasil. “Só consigo estar em tantos lugares ao mesmo tempo porque tenho uma equipe maravilhosa. Sempre fui encantada pela televisão e resolvi aproveitar todas as oportunidades.” A entrega para cada um dos programas é diferente. Iza ainda lembra com carinho de sua primeira experiência em um estúdio de tevê: uma pequena participação na minissérie de época Nada Será Como Antes, de 2016. “Eu era uma total desconhecida e tive a honra de ser convidada pelo diretor José Luiz Villamarim. Gravei poucos dias e cantei clássicos como Fly Me To The Moon e As Time Goes By.

Natural do Rio de Janeiro, Iza tinha 14 anos quando começou a cantar em paróquias e pequenos eventos privados. Formada em Publicidade, em 2015, ela trabalhava como editora de vídeo quando resolveu criar o próprio canal no YouTube, em que passou a mostrar seu cotidiano e dotes vocais. Descoberta pela Warner Music, um ano depois ela já estava em estúdio gravando seu primeiro álbum, o bem-sucedido Dona de Mim. Em pouco mais de quatro anos, Iza tocou com diversos artistas e participou de festivais importantes como o Lollapalooza e o Rock in Rio. No início de 2020, se preparava para produzir um novo álbum quando foi surpreendida pela crise provocada pelo novo coronavírus. Em quarentena, Iza está utilizando o tempo livre para compor e decidir os novos rumos de sua carreira. Música Boa é apresentado aos sábados, às 15h, na Globo. (Da TV Press).