Publicado 21 de Abril de 2020 - 8h18

Por Maria Teresa Costa

Manifestantes se reuniram no domingo na Praça Arautos da Paz, de onde saíram em carreata

Wagner Souza/AAN

Manifestantes se reuniram no domingo na Praça Arautos da Paz, de onde saíram em carreata

A taxa de isolamento social na Região Metropolitana de Campinas (RMC) cresceu no domingo, apesar das manifestações em diversas cidades pró-regime militar. Nos dez municípios monitorados pelo Sistema de Monitoramento Inteligente (Simi-SP) do Governo de São Paulo, a media de isolamento foi de 59,4% ante a média de 52,1% no sábado. Apesar do crescimento, a região ficou abaixo da media estadual de 59% e ainda distante do ideal de 70% recomendado pelo Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo.

Em Campinas, mais pessoas ficaram em casa no domingo. A cidade tinha registrado 52% de isolamento no sábado e no domingo subiu para 58%. A maior taxa ocorreu em Vinhedo, que chegou a 63% depois de atingir 60% no sábado. Hortolândia e Paulínia registraram 62%, seguidas de Indaiatuba e Valinhos que atingiram 60%. Sumaré e Americana tiveram uma taxa de isolamento no domingo de 58%, Santa Bárbara d´Oeste de 57% e Itatiba, a menor, com 56%.

Em relação ao domingo anterior, dia 12, o crescimento médio regional de isolamento saltou de 30,6% para 59,4%. Para o coordenador Centro de Contingência contra o Coronavírus no Estado, o infectologista David Uip, 50% de isolamento é um bom número, mas a meta é 70%. “49%: farol amarelo, traz preocupação", afirmou.

As autoridades de saúde afirmam que, nesse momento, as evidências científicas claramente apontam que é importante a manutenção das medidas restritivas para contingenciar o número de casos de Covid-19 e não expor a população a um colapso do sistema de saúde.

Parceria

De acordo com o governo do Estado, o Simi-SP é viabilizado por meio de acordo com as operadoras de telefonia Vivo, Claro, Oi e TIM para que o Estado possa consultar informações agregadas sobre deslocamento nos 645 municípios paulistas. As informações são aglutinadas sem desrespeitar a privacidade de cada usuário.

Os dados de georreferenciamento obetido servem também para aprimorar as medidas de isolamento social para enfrentamento ao coronavírus.

A central de inteligência analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficácia das medidas de isolamento social. Com isso, é possível apontar em quais regiões a adesão à quarentena é maior e em quais as campanhas de conscientização precisam ser intensificadas, inclusive com apoio das prefeituras.

Manifestantes são multados por desobediência civil

No último domingo, manifestantes foram às ruas em Campinas pela reabertura do comércio, fim do isolamento social e em apoio aos militares. De acordo com os organizadores, o ato reuniu 1,2 mil pessoas, número muito acima dos 40 carros e 120 pessoas calculado pela Prefeitura. Ontem, a Administração anunciou que 40 motoristas que estiveram na manifestação foram multados. A fiscalização foi realizada por agentes da Emdec, que acompanharam a carreata. As punições foram aplicadas por desobediência civil e perturbação do sossego em razão do buzinaço.

A concentração da manifestação ocorreu na Praça Arautos da Paz, na Lagoa do Taquaral. A carreata com buzinaço seguiu em direção ao Jardim Chapadão. Os motoristas se concentraram em frente à Escola Preparatória de Cadetes do Exército, que fica próxima à sede de companhias do Exército na Fazenda Chapadão. Uma carreta com faixas e sistema de alto-falante trafegou pela Avenida Papa Pio XII, levando faixas com dizeres de apoio à intervenção militar.

O grupo era formado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de diversas categorias de profissionais das cidades de Campinas, Americana, Nova Odessa e Santa Bárbara d’Oeste.

Escrito por:

Maria Teresa Costa