Publicado 20 de Abril de 2020 - 15h07

Por AFP

A China condenou o pedido da Austrália de uma investigação independente sobre como Pequim administrou o surto de COVID-19.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, afirmou que o pedido desmerece "os enormes esforços e sacrifícios do povo chinês" para impedir a propagação do vírus, que surgiu em dezembro em Wuhan.

Também rejeitou qualquer "questionamento sobre a transparência da China na prevenção e controle da situação epidêmica".

O pedido foi feito pela ministra das Relações Exteriores da Austrália, Marise Payne, no domingo.

É necessário "uma investigação independente que identifique tudo o que precisamos saber sobre a gênese do vírus, as abordagens para seu gerenciamento e que seja estabelecida uma transparência sobre essas informações", disse ela à emissora pública ABC.

Os Estados Unidos e vários aliados acusaram a China de não ter reagido de maneira eficaz nas primeiras semanas da epidemia e de ter minimizado os efeitos em seu território.

O presidente americano, Donald Trump, também acusou a Organização Mundial de Saúde (OMS) de ter sido complacente com Pequim e ter administrado mal a pandemia.

Trump anunciou na terça-feira passada a suspensão da contribuição dos Estados Unidos à organização, que em 2019 totalizou mais de 400 milhões de dólares.

Payne alertou que "de alguma forma" as consequências da pandemia mudarão o relacionamento entre a Austrália e a China e que está "muito preocupada" com a transparência de Pequim.

A Austrália - que registrou 6.600 casos e 70 mortes - foi um dos primeiros países a proibir viagens da China.

bys/gle/avz/mig/af/mb/jc

Escrito por:

AFP