Publicado 19 de Abril de 2020 - 8h57

Por AFP

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, se "recupera" do novo coronavírus, afirmou um integrante de seu governo, e transmite ao Executivo suas instruções, ao mesmo tempo que aumentam as críticas na imprensa à lentidão de sua resposta à pandemia.

O chefe de Governo, que recebeu alta no domingo passado do hospital, "se recupera bem, está de bom humor", declarou o ministro do gabinete, Michael Gove, ao canal de televisão Sky News.

O líder do Partido Conservador, de 55 anos, conversou com Dominic Raab, o ministro das Relações Exteriores que o substitui durante o período de recuperação à frente do governo e que transmitiu "as instruções do primeiro-ministro ao restante do gabinete durante uma ligação no sábado", revelou Gove.

O Reino Unido é um dos países da Europa mais afetados pela COVID-19. O número de mortos nos hospitais subiu para 15.464, de acordo com o balanço oficial atualizado divulgado no sábado.

Mas os balanços diários incluem apenas os óbitos de pacientes em hospitais que apresentaram resultado positivo, e não contabilizam as pessoas que perderam a vida em casas de repouso para idosos ou em suas residências.

As organizações que representam as casas de repouso calculam que entre 4.000 e 7.500 pessoas morreram nestes centros.

O governo britânico decidiu na quinta-feira prolongar por pelo menos outras três semanas o confinamento decretado em 23 de março.

"O número de mortos é muito preocupante", disse Michael Gove. "A taxa de infecções e a taxa de mortalidade diminuem, mas não estamos em absoluto seguros de estar em uma trajetória descendente", completou, ao citar a condição que o governo deseja ver estabelecida antes de flexibilizar as medidas de confinamento.

Desde o início da pandemia, o governo é acusado de demorar a reagir. O jornal Sunday Times voltou à carga neste domingo, ao denunciara que o Executivo ignorou os alertas de cientistas e os pedidos para obter equipamentos de proteção para os profissionais de saúde nos hospitais. Também afirma que Boris Johnson faltou a várias reuniões de crise sobre o vírus.

Em um artigo no jornal Mail on Sunday, o líder do Partido Trabalhista, o principal da oposição, Keir Starmer, afirma que o governo demorou muito para decretar o confinamento, aumentar o número de testes de diagnóstico e fornecer material de proteção aos profissionais da saúde.

pau/af/zm/fp

Escrito por:

AFP