Publicado 16 de Abril de 2020 - 17h57

Por Estadão Conteúdo

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que a aprovação pelo Congresso Nacional do chamado "orçamento de guerra" autoriza despesas para o combate à pandemia do coronavírus, mas não dá flexibilidade para aumentar despesas de forma diferente.

Em live organizada pela Necton Investimentos, o secretário voltou a defender a continuação da agenda de reformas, e disse que isso ajudará na retomada após a crise causada pelo coronavírus. "O setor público não terá gás para aumentar investimento público, precisará do privado", acrescentou.

Ele reforçou ainda a necessidade de concluir a reforma tributária e disse que o País não pode aumentar a carga de impostos, mas trabalhar para melhorar a progressividade do sistema. Ele acrescentou que o debate sobre tributação de heranças é "legítimo", uma vez que a alíquota brasileira é mais baixa que a de outros países. "Com debate político, conseguiremos criar consenso para aprovar qualquer reforma", completou.

O secretário disse ainda que é a favor "de qualquer coisa" para melhorar ou expandir o Bolsa Família, que é um programa "barato e eficiente".

Escrito por:

Estadão Conteúdo