Publicado 04 de Março de 2020 - 18h58

Por Adagoberto F. Baptista

Foto: Wagner Souza

Henrique Hein

Da Agência Anhanguera

[email protected]

A Prefeitura de Hortolândia passou a investigar ontem a primeira suspeita do novo coronavírus (Covid-19) na cidade em um homem, de 50 anos. O paciente – que chegou da Itália no domingo – foi colocado em isolamento domiciliar, após procurar atendimento em um hospital particular de Campinas. Ele apresentou febre, congestão nasal e coriza. O estado de saúde dele é considerado bom. Além do registro em Hortolândia, a RMC possui 11 casos suspeitos em Campinas, dois em Valinhos; um em Americana e outro em Vinhedo. Em todo o Estado, são 135 suspeitas e 131 casos descartados por meio de análise laboratorial.

Na segunda-feira, a Secretária de Saúde de Valinhos comunicou mais um caso suspeito da enfermidade no município em um homem, de 52 anos, que viajou para o Egito, França e Suíça no mês passado. Segundo a Pasta, o paciente embarcou para o exterior e começou a apresentar os sintomas dois dias antes de retornar ao País. Em solo brasileiro, ele procurou atendimento no Hospital Galileo, em Valinhos. O homem está isolamento domiciliar e tem boas condições de saúde.

Além dele, Valinhos possui outro caso suspeito ainda em análise. Na sexta-feira, uma jovem, de 20 anos, procurou a Santa Casa do município com sintomas da doença. A paciente – que esteve na Índia e na Itália em fevereiro – aguarda o resultado do exame enviado ao Instituto Adolfo Lutz. No final de semana, o caso suspeito de um jovem, de 25 anos, que viajou para Israel e Itália, no mês passado, foi descartado pelo município como suspeito de coronavírus. O exame dele deu negativo no Adolfo Lutz.

Valinhos também monitora a situação de um casal de idosos, de 85 e 60 anos, que mantiveram contato com o homem que registou o primeiro caso confirmado da doença no País. A dupla é parente dele, mas não apresenta nenhum sintoma da doença. Para ser considerado suspeito, um paciente precisa apresentar febre e mais um sintoma respiratório, como tosse ou espirro. A pessoa também tem que ter viajado ou mantido contato com alguém que esteve recentemente em um dos países com transmissão ativa da doença.

Na semana passada, a Secretaria de Saúde de Campinas convocou uma coletiva de imprensa e explicou que a cidade tinha computado seus primeiros quatro casos suspeitos do novo coronavírus. Em uma semana, os registros quase triplicaram. Já Americana, informou, na segunda-feira, que recebeu uma notificação do Hospital Vera Cruz de Campinas alertando para o primeiro caso suspeito da doença na cidade em uma mulher, de 40 anos.

No domingo, foi a Prefeitura de Vinhedo quem passou a investigar o primeiro caso suspeito de coronavírus no município. O registro pertence a uma mulher de 63 anos, que foi atendida no Hospital Galileo, em Valinhos. Segundo o Poder Municipal, a paciente esteve na Itália e retornou para o Brasil no final de fevereiro. Assim como os demais casos suspeitos na Região, ela também aguarda o resultado final do exame do Instituto Adolfo Lutz.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista