Publicado 05 de Março de 2020 - 5h30

[CR_TXT_3LINH]Alenita Ramirez[/CR_TXT_3LINH]

[CR_TXT_PROCE]Da Agência Anhanguera[/CR_TXT_PROCE]

[CR_TXT_PROCE][email protected]

[/CR_TXT_PROCE]

A Polícia Científica realizou na noite de ontem a reconstituição sobre o assassinato de Gustavo Henrique da Silva, de 26 anos, neto do humorista e radialista Bambuzinho, o João Carlos da Silva, por um guarda municipal (GM), no dia 27 de janeiro deste ano, na Avenida José de Sousa Campos, a Norte-Sul. O pedido foi feito pela Polícia Civil à Justiça, no final do mês passado.

A reprodução simulada começou por volta das 21h e foi realizada pela equipe da perita criminal Ana Cláudia Diez - um fotógrafo técnico pericial e um desenhista técnico pericial, e acompanhada do delegado do Setor de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP), Rui Pego e a equipe de investigação. Um dos investigadores fez o papel da vítima. O Garra deu suporte aos trabalhos. A reconstituição foi realizada apenas com a versão do GM, já que não há testemunha ocular.

A opção de realizar a encenação neste horário é devido ao fato de o crime ter acontecido na madrugada e, em razão disso, a perícia vai verificar foco de visão entre outros detalhes.

O agente vai relatar à perita o ocorrido na data dos fatos, detalhadamente, no local dos fatos. Serão utilizados na reprodução simulada o mesmo veículo e a mesma arma.

Após a realização da perícia, Ana Cláudia confrontará a versão apresentada pelo acusado, com os laudos para verificar se a versão do GM é de fato à concedida à Polícia Civil. Até o fechamento desta edição, os trabalhos ainda eram realizados no local.

O corpo de Silva foi achado em uma vala na rotatória da Norte-Sul, no sentido Taquaral, após denúncia de um morador. Silva tinha saído na noite do dia anterior para baladas em casa noturna no bairro Cambuí.

Chegou a ligar para um funcionário do pai dizendo que estava em um posto de combustível e que tinha sido vítima de roubo. Mas não foi localizado pela família na sequência. O corpo foi achado na manhã do dia seguinte.

O esclarecimento do crime ocorreu quatro dias depois, após os policiais civis analisarem imagens e identificar a placa de um carro que passou no local. O veículo era de um GM.

Ele confessou que o neto do radialista estava embriagado, tentou assaltar seu veículo, mas ele reagiu, atirando por três vezes sem direção. O guarda alegou que não sabia se havia atingido o jovem e chegou a fazer buscas no local, mas como não achou nada foi embora, sem avisar a corporação e pedir ajuda.

O GM foi afastado das ruas e colocado para fazer serviços administrativos, pela corporação. Até então, ele responde pelo crime de homicídio em liberdade.