Publicado 08 de Março de 2020 - 17h29

Por Da Agência Anhanguera

Teresa Aguiar no palco do Teatro de Arte e Ofício, espaço que criou em 1984 ao lado de Marcos Tadeu e Ariane Porto: Respeito às artes

Divulgação

Teresa Aguiar no palco do Teatro de Arte e Ofício, espaço que criou em 1984 ao lado de Marcos Tadeu e Ariane Porto: Respeito às artes

Do alto de seus 92 anos e quase 70 anos de carreira, a atriz Laura Cardoso comanda um encontro especial para homenagear outra “pequena grande dama” da cena artística brasileira, a diretora Teresa Aguiar, na apresentação pelo aniversário da mestra, a ser celebrado em 17 de março. Teresa Aguiar - Sempre em Cena, reúne atores e músicos de São Paulo, São Sebastião, Campinas e região que já trabalharam sob a batuta de Tatá - como Teresa ficou conhecida no meio artístico -, nessa homenagem, que inclui a apresentação de um documentário sobre Teresa e uma prévia do mais novo espetáculo da diretora previsto para estrear em agosto. A apresentação será hoje, às 18h, no Teatro de Arte e Ofício (TAO), espaço criado por ela em 1984, ao lado de Marcos Tadeu e Ariane Porto. 

Diretora com pelo menos 60 anos de experiência em teatro, cinema e televisão, Tatá dirigiu cerca de 80 espetáculos teatrais, documentários e programas de ficção para TV e cinema, além de filmes de curta, média e longa-metragens.

Advogada com especialização em Administração Pública Municipal pela University of Birmingham, Inglaterra; Mestre em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da USP; extensão universitária em Teatro pela Faculte des Lettres & Sciences Humannes University de Paris, Sorbonne e no Centre Français du Thèatre e Le Siècle Stanislaviski, em Paris; em Cultura Cinematográfica pelo Serviço de Informações Cinematográficas de Campinas; estágio no Drama Department University e no Old Vic School em Bristol e no Departamento de Artes das Escolas Secundárias de Birmingham da Inglaterra, Tatá sempre teve uma forte convicção de que a formação é a base para qualquer ator.

“Claro que talento é importante, mas nada exclui a necessidade de uma formação séria, de um estudo aprofundado. Como dizia Alfredo Mesquita, nos primórdios da criação da Escola de Arte Dramática – Teatro é duro!”, relembra Tatá.

Teresa esteve ao lado de Paschoal Carlos Magno no movimento do Teatro do Estudante do Brasil desde o final dos anos 1950, quando se juntou ao antigo grupo comandado por Fernando Catani e retomou o TEC (Teatro do Estudante de Campinas), em que Regina Duarte atuou dos 14 aos 18 anos. Em 1967 fundou o Grupo de Teatro Rotunda, primeiro grupo profissional do interior de São Paulo. Teve ainda uma atuação importante na criação da área de teatro do Conservatório Carlos Gomes.

Além da atuação como diretora teatral e professora de interpretação na Escola de Arte Dramática (EAD/USP) e em inúmeros cursos livres pelo interior e Capital, Tatá atua desde os anos 70 com a cultura caiçara.

“Sempre tive uma ligação muito forte com a natureza, especialmente com o mar. Nos anos 70 comecei um trabalho nas comunidades isoladas de ilhéus do litoral norte, e em 1989 nasceu o Centro Cultural São Sebastião tem Alma, em parceria com Lúcia Martini e Ariane Porto”, explica Teresa.

“Mas o que as pessoas que conhecem Tatá sabem é que ao lado de sua extrema seriedade e exigência, existe um coração generoso” diz Ariane Porto, diretora do filme e companheira de Teresa há 35 anos. “Mas a característica que mais me impressiona em Teresa e que procurei mostrar nesse filme é sua energia criadora, sua paixão pelo desafio, sua crença de que a arte pode transformar os seres e, consequentemente, o mundo. Não é à toa que Teresa sempre apostou no teatro amador, nos iniciantes de todas as idades que querem se expressar através do teatro.”

Foi esse desejo de inovar e se expandir que levou Teresa à direção cinematográfica aos 75 anos. “Numa idade em que as pessoas muitas vezes já estão acomodadas em seus lugares, Teresa se lançou a esse grande desafio. E com o longa Topografia de um Desnudo criou o que se transformaria no Polo de Cinema da Paulínia” ressalta Ariane.

No cinema, Teresa dirigiu grandes nomes da cena nacional, como Laura Cardoso, Lima Duarte, Arlete Salles, Kito Junqueira, Ney Latorraca, Grancindo Júnior, Maria Alice Vergueiro. E é justamente a grande Dama das Artes, Laura Cardoso, que vem a Campinas homenagear a diretora, ao lado de artistas de São Paulo e da região.

Membro da Academia Campineira de Letras e Artes (ACLA), vencedora de inúmeros prêmios e homenagens, Teresa foi condecorada em 2008 pela Presidência da República com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural do Brasil.

Além da pré-estreia do documentário, Teresa Aguiar - sempre em cena! vai apresentar trechos do próximo espetáculo da criadora: Palavras ao Mar: 500 anos de poesia em língua portuguesa que tem no elenco a “mais nova” atriz do Rotunda, Zilda Rubinsky, que estreou no teatro aos 90 anos. “Mãe da pianista Sonia Rubinsky, que estará no espetáculo que tem estreia marcada para o 2º semestre deste ano, Zilda comprova a crença de Teresa de que nunca é tarde para realizar o sonho de se expressar através do teatro”, completa Ariane.

AGENDE-SE

O quê: Teresa Aguiar – Sempre em Cena

Quando: Hoje, às 18h

Onde: Teatro de Arte e Ofício (Rua Conselheiro Antonio Prado 529, Vila Nova)

Escrito por:

Da Agência Anhanguera