Publicado 07 de Março de 2020 - 13h47

Por Adriana Menezes

Diretor Caco Souza filmou o longa em quatro semanas no Rio de Janeiro utilizando sempre duas câmeras

Divulgação

Diretor Caco Souza filmou o longa em quatro semanas no Rio de Janeiro utilizando sempre duas câmeras

Com estreia oficial marcada para o dia 12 de março, próxima quinta-feira, em 200 salas de cinema, a comédia nacional Solteira quase Surtando faz amanhã uma promoção especial do Dia da Mulher, com meia entrada só para as mulheres que comparecerem à pré-estreia em diversas salas de Campinas. A direção é do cineasta Caco Souza, que começou sua carreira de publicitário e diretor de cinema em Campinas há 33 anos.

Financiado pela MGM internacional, o longa é um romance que faz o público rir. A comédia tem momentos dramáticos intercalados por muitas risadas. A personagem Bia, interpretada por Mina Nercessian, é uma carioca que precisa encontrar o homem perfeito para se casar e ter filhos.

Com trajetória marcada por premiados documentários, Caco se rendeu à comédia quando foi convidado por Meire Fernandes, fundadora do LABRFF (Los Angeles Brazilian Film Festival) e produtora principal de Solteira Quase Surtando, para dirigir o longa-metragem, que tem no elenco o campineiro Gui Agustini – estreando no cinema nacional (veja texto abaixo) - no papel de Miguel, o galã espanhol da comédia.

Caco Souza trabalha por trás das câmeras desde a década de 1980. Começou fazendo documentários em 1987 em Campinas, onde cursou Publicidade. Foi para São Paulo para tentar uma carreira de músico, mas concluiu por lá sua faculdade e retornou a Campinas a convite de colegas publicitários para criar a produtora Studio Eletrônico.

Em 1992 foi novamente para a capital e em pouco tempo fez em parceria com Kiko Goifman o documentário Tereza, lançado em 1993 e muito premiado. Com textos de Jean Genet, Percival de Souza e S. Paezzo e depoimentos dos presos, o documentário foi realizado na Penitenciária 1 e no 5º Distrito de Polícia de Campinas.

Depois de Tereza, ainda neste universo dos presídios, comprou os direitos da biografia de Wilson da Silva Lima e dirigiu o filme 400 contra um, baseado na história da maior facção criminosa do país, com produção Globo Filmes e sessão première no Festival de Paulínia. Ganhou o prêmio de produção do Governo do Estado de São Paulo.

Em 2002, numa visita a Bangu, surgiu a ideia do documentário que ele vai lançar em breve sobre Abílio de Freitas, que ele conheceu no fórum em Porto Alegre. Também está nos seus planos futuros o filme sobre Gabriela, a criadora da marca Daspu, de quem ele possui os direitos e já tem definida a produtora Cromaki como parceira.

“Dos documentáarios, fui para a direção de um filme que faz as pesoas rirem. Foi um exercício bacana, porque Solteira é uma comédia divertida, mas também toca em assuntos pertinentes. Não é só besteirol”, diz Caco, que gravou o longa em quatro semanas no Rio de Janeiro, utilizando sempre duas câmeras. “Gostei da experiência de fazer comédia e já tenho mais coisa do gênero pela frente.”

Caco Souza lamenta o momento do cinema brasileiro e diz que ninguém sabe ao certo o que se pode esperar. “Hoje está complicado fazer cinema no Brasil. Muita mudança na Ancine. Há muitos projetos aprovados, mas com a verba presa. Tá tudo parado e não vemos sinal de movimento em 2020”, conclui.

Ex-tenista campineiro Gui Agustini vira galã

Gui Agustini em cena com Mina Nercessian: Vocação descoberta aos 20 anos

O campineiro Gui Agustini é o galã do filme Solteira Quase Surtando. Filho de mãe argentina e pai peruano, o ex-tenista dedicou-se ao esporte ao longo de toda a sua infância e adolescência em Campinas, onde seus pais ainda moram. Conheceu muitos países como tenista e morou na Venezuela.

"Depois de um ano e meio tendo a maior evolução da minha carreira como tenista, eu estava me preparando para ir estudar nos EUA com bolsa de tênis. Foi então que minha vida deu um giro inesperado, e a arte impactou a minha alma", diz, relembrando o momento em que descobriu que queria ser ator, aos 20 anos.

Hoje aos 31 anos, Gui trilha uma carreira internacional, com cerca de cem comerciais, duas novelas da Telemundo, papéis de sucesso em séries da Nickelodeon e a criação de dez curtas-metragens, como o Roses are Blind, premiado em oito festivais. Casado com a americana Christina Breza, com quem desenvolveu seu primeiro curta, o casal há alguns anos mora nos Estados Unidos. Gui também trilha uma carreira de modelo, produtor e cineasta. Mas o longa Solteira Quase Surtando, com direção de Caco Souza, marca a sua estreia no cinema nacional.

Gui foi indicado por Meire Fernandes, fundadora do LABRFF (Los Angeles Brazilian Film Festival) e produtora principal de Solteira Quase Surtando para viver o espanhol Miguel, aproveitando o idioma fluente vindo dos pais.

No filme, ele interpreta Miguel, um empresário espanhol de 40 anos que vem fazer negócios no Brasil, morando alguns meses no Rio de Janeiro. Charmoso e bem-sucedido, o empresário conhece a protagonista Bia (Mina Nercessian), uma carioca que precisa encontrar o homem perfeito para se casar e ter filhos. O romance então começa. "O filme é uma comédia com momentos dramáticos, então o que há de se esperar são muitas risadas mas também tristeza", revela.

Escrito por:

Adriana Menezes