Publicado 07 de Março de 2020 - 11h03

Por Gilson Rei

Angela Sartori Martinucci, de 83 anos, abre os braços para o carinho da aluna:

Leandro Ferreira/AAN

Angela Sartori Martinucci, de 83 anos, abre os braços para o carinho da aluna: "Sempre fui muito feliz e levei essa alegria para o resto da vida"

Quatro “vovozinhas” do Lar dos Velhinhos receberam ontem uma homenagem pelo Dia da Mulher, prestada por cerca de 80 crianças de até 5 anos, da Escola de Educação Infantil “Brincando com a Gente”, no Jardim Guanabara, em Campinas. Elas foram convidadas para a homenagem, representando as 53 mulheres que vivem no Lar dos Velhinhos e aproveitaram para contar “causos” e levar exemplos de vida às crianças.

Uma das idosas, Angela Sartori Martinucci, de 83 anos, disse às crianças que sempre foi muito feliz, desde pequena, e que levou essa alegria pelo resto de sua vida, mesmo nos momentos difíceis. “Brincava muito e sempre fui alegre. Cuidava dos cinco irmãos e, por ser a filha mais velha, ajudei bastante meu pai e minha mãe”, disse.

Angela agradeceu pela homenagem recebida. “Estar aqui com crianças foi um presente do céu. Lembro de meu bisneto de dois anos e quatro meses”, afirmou. Depois, Angela deu um conselho para as crianças: “Cuide bem dos idosos, respeite e ajude com carinho, pois os idosos são crianças mais velhas. Tem que ter amor na vida e tratar o outro com respeito e carinho”, afirmou.

Outra mulher homenageada, Maria da Luz, de 79 anos, disse que estava muito feliz e que se sentia até mais jovem. Ela nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, e trabalhou a maior parte da vida como babá. Veio para Campinas há 35 anos e acabou sozinha porque a família era pequena e todos morreram. Trabalhou com uma família por 22 anos e quando eles decidiram se mudar para a Bahia ela não tinha com quem ficar.

Foi aí que encontrou um outro lar. “A patroa me encaminhou para o Lar dos Velhinhos, onde fui muito bem recebida e estou feliz”, contou às crianças. Sobre a homenagem, disse que foi muito gostoso ser lembrada e valorizada. “Gosto de crianças, sempre trabalhei como babá e tenho muito carinho pelos pequenos”, disse. Pensando sobre uma mensagem para as crianças, ela disse: “Vocês devem aproveitar bem a infância, ser autênticos e, depois seguir a vida em frente sempre com muito respeito e sempre valorizando os mais velhos, pois vocês podem aprender com eles e, um dia, vocês serão idosos também”, afirmou.

Teresa de Jesus Inocêncio Silva, de 80 anos, mostrou também sua gratidão e contou sua história. Ela morou a maior parte da vida na Região do Ouro Verde, Jardim Ipiranga. Teve mudanças na família, pois os filhos cresceram e foram residir em outras casas.

“Eles não tiveram condições de ter casas maiores e escolheram o Lar, onde estou muito contente”, afirmou. No final ela disse que trabalhou muito na roça — em outras cidades e em Campinas — e deu uma mensagem: “Façam tudo com alegria e tenham muito respeito aos mais velhos e ao próximo. Vocês não vão se arrepender.”

Projeto

Juliana Degrecci, diretora da escola, afirmou que este ano foi idealizado o projeto “O Aroma do Amor” para valorizar as mulheres esquecidas pela sociedade. “Firmamos parceria com o Lar dos Velhinhos, fizemos uma campanha de doação de sabonetes e as crianças confeccionaram as embalagens para entrega das lembranças”, explicou.

Renata Della Volpe Aguiar, coordenadora pedagógica, afirmou que todos os anos realizam projetos voltados ao social. “O nosso objetivo neste ano é trabalhar as habilidades socioemocionais dos alunos para que no futuro próximo, assim como em alguns países orientais, tenham a consciência que a sabedoria dos mais velhos deve ser respeitada e valorizada pela vasta experiência acumulada ao longo da vida”, disse.

Renata complementou: “A pessoa idosa tem muita história e um legado a ser aprendido e passado para outras gerações. Respeitar e ouvir é um grande aprendizado. Cada história e cada trajetória representa uma grande troca e uma aproximação importante de gerações”, finalizou.

Incentivo ao respeito mútuo serve de base ao projeto

A homenagem às mulheres do Lar dos Velhinhos foi uma grande festa, repleta de gestos singulares, momentos marcantes e histórias de vida. O pano de fundo da homenagem e do projeto desenvolvido pela escola Brincando com a Gente foi o incentivo ao respeito mútuo e à troca de experiências de vida. Teresa de Jesus Inocêncio Silva, de 80 anos, deixou claro que o respeito e a troca são exemplos a serem adotados por todos: crianças, adultos e pessoas mais velhas.

Teresa disse que está há seis meses no Lar dos Velhinhos. Aproveitou o encontro para falar sobre sua família. “Sempre houve respeito e amor na minha família e isso continua existindo. Apenas moramos em lugares diferentes”, afirmou.

Teresa defendeu a troca de experiências com as crianças. “Eles aprenderam com minha história e eu aprendo com as deles. Trabalhei muito na roça a vida toda e a homenagem de hoje mostrou que todos aprenderam muito um com o outro, mesmo tendo vidas completamente diferentes”, comentou.

A professora de balé da escola, Patrícia Lodi, destacou também a união de gerações como forma de aprendizado para ambos os lados. “Muito bom unir as duas gerações que merecem sempre o respeito e a atenção. Uma geração que merece atenção pela formação e outra geração que é o ponto alto do indivíduo que é a terceira idade. Muito bom aproximar estas duas gerações que podem ajudar um ao outro, haver uma troca bonita que ajuda no conhecimento e sempre com o respeito”, disse.

Escrito por:

Gilson Rei