Publicado 05 de Março de 2020 - 7h43

Por Alenita Ramirez

Manifestantes encenaram a morte de serviços essenciais pela corrupção

Matheus Pereira/AAN

Manifestantes encenaram a morte de serviços essenciais pela corrupção

Após 51 horas acampados em frente à Prefeitura de Campinas, um grupo formado por ao menos 20 pessoas decidiu encerrar uma manifestação que reivindicava médicos para o Pronto Atendimento do Jardim São José e entrega do Centro de Saúde do bairro, melhorias nas vias do bairro Gargantilha e transporte escolar para 80 crianças da região do Parque Oziel que passaram a caminhar 5km todos os dias para chegarem na escola, em bairros da região.

O grupo representa 4 bairros da periferia. A decisão aconteceu depois que a liderança do grupo foi recebida pelo secretário de Relações Institucionais, Wanderley Almeida, o Wandão, que se comprometeu a solucionar as situações. “Caso o secretário não cumpra o que prometeu, vamos fazer uma manifestação bem maior no dia 1º de abril”, avisou a conselheira fiscal da Associação do Jardim das Bandeiras 2, Paula Luz.

O grupo, formado por representantes de associações, se concentraram na manhã da última segunda-feira, na passarela do Cidade Judiciária. De lá, os manifestantes seguiram a pé até a Prefeitura, com cartazes, bonecos e caixão que faziam alusão à morte dos sistema de Saúde e de Educação na cidade e a corrupção. Eles ficaram duas noites e dois dias e meio na escadaria do Paço Municipal. “Nosso objetivo foi chamar a atenção das autoridades para os problemas que enfrentamos”, argumentou Paula.

Do grupo, 15 integrantes representavam moradores do Jardim São José. O pedido é para a retomada de atendimento no Centro de Saúde, fechado desde o começo do ano passado para reforma e que ficou pronta no final do ano passado. No período em que ficou fechada, os usuários foram distribuídos para as unidades do bairro San Diego e do Oziel. “Temos muito moradores que não tem dinheiro para pagar a condução para ir nesses bairros. Muitas mães deixaram de vacinar seus filhos por falta de condição financeira”, comentou a conselheira fiscal.

O grupo também pediu a contratação de médicos para o PA e a volta do transporte escolar para 80 crianças do Oziel, Jardim São José e Santa Cruz que estão indo a pé para uma escola na região do Tancredão. “Na região do Jardim São José nós temos grande índice de estupro e por esse fato hoje nós temos nossas crianças vulneráveis nas ruas”, falou Paula.

Gargantilha

O bairro Gargantilha, na região do Carlos Gomes, foi representado por cinco moradores, inclusive o presidente da associação. Eles enfatizaram um problema que já é antigo que é a infraestrutura local. Em épocas de chuvas, os veículos têm dificuldades de circularem no bairro por conta do barro e dos buracos que são causados pelas enxurradas. Os ônibus não conseguem circular no local e os moradores e crianças são obrigados a caminhar a pé, no barro, até uma via de asfalto, onde o ônibus consegue chegar.

“Fomos atendidos pelo secretário Wanderley de Almeida, que nos informou que dá parte da saúde já fez a contratação de mais médicos e que o posto de saúde será entregue no mês de maio, junto com mais 12 outros postos e que virá com novos médicos já contratados e todos os equipamentos necessários. Desses médicos contratados parte irá para o PA, resolvendo parte dos problemas que temos hoje com o pronto socorro. Entre outras demandas que aproveitamos o oportuno e levamos para ele”, disse a conselheira fiscal.

Educação promete solução para estudantes sem ônibus

Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura informou que secretário de Relações Institucionais, Wanderley de Almeida, conversou com o grupo, inclusive com a participação da secretária municipal de Educação, Solange Pelicer.

Sobre o transporte escolar, em relação ao bairro Gargantilha, a Secretaria de Educação se comprometeu a estudar a readequação da linha para transitar em vias mais próximas. No caso do bairro São José, o transporte escolar era por meio de um convênio com o governo do Estado, que encerrou o contrato, e será aberta uma agenda com a Diretoria Regional de Ensino do Estado para discutir esse assunto.

Em relação aos itens de Saúde, foi esclarecido que o Centro de Saúde São José está em reforma e a entrega está prevista para breve. Quanto aos médicos, 47 profissionais chegaram à rede de saúde esta semana, por meio do programa Mais Médicos Campineiro. Outros 259 profissionais de saúde, sendo 85 médicos, aprovados em concurso, serão convocados para o trabalho. A manutenção para melhoria do tráfego nas vias do Gargantilha, com homens e máquinas, será feita na próxima semana.

Escrito por:

Alenita Ramirez