Publicado 06 de Março de 2020 - 7h17

Por Estadão Conteúdo

A economia vai mal não só porque está praticamente estagnada nos últimos três anos, com crescimento anual próximo de 1,0% desde que saiu da recessão, mas também porque a produtividade do trabalho encolheu 1,0% em 2019, após ficar estagnada em 2018, com alta de 0,1%, apontou um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), obtido com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A queda é surpreendente. Em condições normais, quando uma economia cresce e gera empregos - situação que, apesar da lentidão, vem ocorrendo no Brasil -, a produtividade avança. "Não temos recessão. Cair a produtividade com a economia crescendo é estranho", disse Silvia Matos, pesquisadora do Ibre/FGV e coautora do estudo, ao lado de Fernando Veloso e Paulo Peruchetti, que será apresentado hoje em São Paulo.

Para a economista, a queda pode ser explicada pela lentidão da retomada dos investimentos e a elevada informalidade no mercado de trabalho, somados à "secular" baixa produtividade do Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Escrito por:

Estadão Conteúdo