Publicado 04 de Março de 2020 - 22h07

Por AFP

Faltam apenas 100 dias para o início da Eurocopa e os aspirantes ao título lutam contra o tempo, com jogadores lesionados ou precisando acertar suas equipes. França, Portugal, Bélgica, Alemanha... como estão os favoritos e seus astros?

Portugal deposita toda sua confiança em Cristiano Ronaldo para revalidar sua coroa continental. O atacante de 35 anos ainda é decisivo, com 25 gols nesta temporada em 31 jogos disputados com a Juventus.

A questão é quem acompanhará Ronaldo no ataque: após sua contratação faraônica pelo Atlético de Madrid (120 milhões de euros), o jovem João Félix parece ter uma vantagem sobre Gonçalo Guedes, mas nenhum deles tem mostrado regularidade.

A organização do jogo ofensivo recairá sobre as outras duas grandes estrelas que brilham em Manchester: Bernardo Silva, um dos favoritos de Pep Guardiola no City, e Bruno Fernandes, cuja contratação em janeiro pelo United significou uma melhoria no jogo do time. O veterano Pepe será, aos 37 anos, o bastião defensivo da equipe comandada por Fernando Santos.

As lesões abalam os atuais campeões mundiais e vice-campeões da Europa, especialmente no meio de campo, onde os "ingleses" N"Golo Kanté (coxa), Paul Pogba (tornozelo) e Moussa Sissoko (joelho) lutam para se recuperar. A seleção francesa também tem problemas nas pontas, com Kingsley Coman e Thomas Lemar sentindo dores e Ousmane Dembélé, operado após sofrer uma ruptura de um tendão da coxa direita, já foi descartado do torneio europeu.

Entre as boas notícias para o técnico Didier Deschamps está o bom momento do veterano artilheiro Olivier Giroud e a confirmação de Kylian Mbappé, que continua marcando gols com a camisa do PSG, uma história que não se repete com Antoine Griezmann, ainda com problemas de adaptação no Barcelona.

O técnico Joachim Löw deixou de contar com todos os campeões do mundo de 2014, exceto o goleiro Manuel Neuer e Toni Kroos. As estrelas da Mannschaft agora são mais promessas do futuro do que jogadores consagrados. Leroy Sané, Serge Gnabry e Timo Werner podem garantir gols suficientes que façam da Alemanha um dos favoritos ao título.

Mas Löw terá problemas para formar uma defesa que traga tranquilidade. A grave lesão de Niklas Süle enfraqueceu a equipe e é difícil saber se o zagueiro central do Bayern de Munique estará disponível para a Euro. Com os veteranos descartados - Jérôme Boateng e Mats Hummels - Löw terá que compor um eixo central com Rüdiger, Ginter ou Tah, jogadores que não possuem grande experiência internacional.

Com as lesões de Harry Kane e Marcus Rashford, a Inglaterra ficou sem poder ofensivo, sua principal qualidade nas eliminatórias. Os dois jogadores devem se recuperar a tempo para disputar o torneio, mas a dúvida é se estarão em perfeitas condições.

Depois de seu grande começo de temporada, Raheem Sterling caído de produção. Ele ainda não marcou em 2020 e, além disso, acabou de voltar de uma lesão. Com esse panorama, são muitos que exigem o retorno de Jamie Vardy, aposentado da seleção desde 2018. Mas apesar de ser o maior artilheiro da Inglaterra na Premier League, o atacante do Leicester não parece estar em seu melhor momento.

Escrito por:

AFP