Publicado 04 de Março de 2020 - 20h47

Por Estadão Conteúdo

Os trabalhadores da Araucária Nitrogenados (Ansa), subsidiária da Petrobras, aprovaram em assembleia nesta quarta-feira, 4, por maioria, aceitar o fechamento da unidade localizada no Paraná, depois que a estatal aceitou oferecer um pacote de benefícios para evitar uma nova greve da categoria em acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Os benefícios foram acordados com o TST após a categoria realizar uma paralisação de 1º a 17 de fevereiro, o que obrigou a companhia a contratar terceirizados e manter equipes de contingência por 24 horas em algumas unidades. Segundo o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, mesmo com a greve não houve queda na produção de petróleo.

Com a decisão dos petroleiros, a Ansa será fechada e 396 trabalhadores serão demitidos e receberão benefícios além dos garantidos por lei.

O fechamento da Ansa faz parte do plano da Petrobras de abandonar o setor de fertilizantes, focando na exploração e produção de petróleo em águas profundas do pré-sal, conforme opção da atual gestão.

Para os que concordarem com a quitação total do contrato de trabalho será pago 40% da remuneração por ano trabalhado, com garantia de valor mínimo de R$ 110 mil e máximo de R$ 490 mil, entre outras vantagens. Para os que não incluírem a quitação total na rescisão, o benefício se limita ao pagamento de R$ 80 mil a R$ 210 mil. Todos terão direito à manutenção do plano de saúde por dois anos, cursos de aperfeiçoamento profissional visando realocação, assistência social e psicológica, entre outras.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), se o acordo não fosse aprovado hoje, a Petrobras seguiria com o cronograma acelerado das demissões, que motivou a greve, além de punições por parte da empresa como justa causa aos 23 trabalhadores que deixaram a Ansa em apoio ao movimento grevista.

"Infelizmente, esta foi uma assembleia muito triste para nossa categoria e muito triste para os petroquímicos. Não foi uma decisão que expressou a vontade da maioria da categoria. Viemos com proposta pronta do TST e não foi sob crivo da negociação: foi sob o crivo da ameaça. Nosso próximo passo é orientar os trabalhadores e também cobrar da empresa aquelas propostas de auxiliar na recolocação que haviam prometido", analisou o dirigente jurídico do Sindiquímica-PR, onde foi realizada a assembleia, Reginaldo Lopes.

contato: [email protected]

Escrito por:

Estadão Conteúdo