Publicado 04 de Março de 2020 - 17h57

Por Estadão Conteúdo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 4, que a economia brasileira está acelerando, mesmo lentamente, à espera das reformas, e manteve a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano acima de 2%. "No segundo ano (de governo), a gente acha que é acima de 2%. Mesmo com o coronavírus", disse o ministro ao deixar a sede do ministério.

Guedes justificou a manutenção da previsão com o fato de o Brasil ter uma economia "relativamente fechada". "Então, é claro, quando o mundo todo estava crescendo, você estava com uma economia aberta e integrada, era uma grande vantagem. Se nós não pegamos o vento a favor, agora também o vento contra não vai", disse. "Se ela (economia) fosse extremamente aberta, o impacto ia ser muito maior. Como nós ficamos fechados, todo mundo cresceu, nós não crescemos tanto. Todo mundo desacelera, nós não vamos desacelerar tanto", acrescentou o ministro.

Na avaliação de Guedes, o mundo está em desaceleração sincronizada e o Brasil "está começando a reacelerar". "Nós temos nossa própria dinâmica. Nós temos que fazer, até em função da gravidade da crise lá fora, trabalhar mais forte, aprofundar as reformas e nós vamos acelerar nosso crescimento", disse. "O Brasil não é uma folha ao vento, ao sabor das ondas internacionais. O Brasil tem uma dinâmica própria de crescimento. Nós vamos fazer nossas reformas e nós vamos crescer."

Sobre o resultado do PIB de 2019, divulgado nesta quarta pelo IBGE, Guedes disse não ter entendido toda "comoção" em torno do resultado de crescimento de 1,1% no ano passado.

Segundo ele, essa era sua previsão no início do governo, que, no primeiro ano, a economia do País iria crescer 1%. "Saiu 1,1%, então, está dentro do previsto", afirmou.

Ele ainda comentou o resultado do segundo semestre do ano passado, que foi o melhor para o período desde 2013. O ministro destacou ainda o desempenho da economia no último trimestre de 2019 na comparação com igual período do ano anterior, que registrou crescimento de 1,7%. "Então, a economia está acelerando, lentamente, esperando as reformas. À medida que as reformas forem acontecendo, e elas vão ser implementadas, o Brasil vai reacelerando. Então, está tudo dentro do previsto", enfatizou. "Não tem porque desesperar. É 1%, é o que tinha dito que seria no primeiro ano. No segundo ano, a gente acha que é acima de 2%", reafirmou.

Escrito por:

Estadão Conteúdo