Publicado 04 de Março de 2020 - 15h57

Por AFP

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou nesta quarta-feira o fechamento de todas as escolas e universidades, "por precaução", para combater a epidemia de coronavírus, que já matou 107 pessoas no país, o terceira mais afetado no mundo.

Essa medida será "efetiva a partir de amanhã", quinta-feira, disse Conte durante uma breve coletiva de imprensa após um excepcional conselho de ministros.

A Itália, a sétima maior economia do mundo, é o primeiro país europeu e do G7 a adotar tal medida drástica.

"No momento, estamos nos concentrando em tomar todas as medidas para conter o vírus ou retardar sua disseminação, porque o sistema de saúde, embora eficiente e excelente, corre o risco de superaquecer", explicou.

A ministra da Educação, Lucia Azzolina, presente ao de Conte, reconheceu que o fechamento dos estabelecimentos até 15 de março foi uma "decisão difícil", e ressaltou o "comprometimento para que esse serviço público essencial continue remotamente".

As escolas e universidades já haviam sido fechadas nas três regiões mais afetadas: Lombardia (região de Milão), Emília-Romanha e Veneto (em torno de Veneza).

Quase todas as 21 regiões italianas identificaram casos de contágio, com exceção do Vale de Aosta, que faz fronteira com a França.

O governo explicou que é imperativo limitar o contato o máximo possível e intervir o mais rápido possível para impedir a propagação do vírus.

O primeiro-ministro Conte reuniu todos os seus ministros nesta quarta-feira e as discussões foram dedicadas "principalmente à situação nas escolas e universidades".

A Itália aparece logo atrás da China e da Coreia do Sul com 3.089 casos, de acordo com o último balanço publicado esta noite pela Proteção Civil.

Escrito por:

AFP