Publicado 05 de Fevereiro de 2020 - 18h54

Por Adagoberto F. Baptista

Foto: Wagner Souza

Henrique Hein

Da Agência Anhanguera

[email protected]

As fortes chuvas que atingiram Campinas nessa semana e causaram estragos na cidade continuarão até o começo da semana que vem. É o que aponta a previsão do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp, que alerta para novas tempestades semelhantes a que foi registrada anteontem no município. “É importante que as pessoas estejam preparadas para chuvas intensas nos próximos dias”, explica o meteorologista do instituto, Bruno Bainy.

Segundo ele, a previsão é que o tempo siga uma mesma tendência em praticamente todos os dias, com céu parcialmente nublado pela manhã, passando a nublado pela tarde e com boas chances de temporais e chuvas localmente fortes próximos do anoitecer. “Não serão chuvas no estilo ‘chuva de verão’, que são fortes e logo acabam. Elas serão mais prolongadas, localizadas e cairão quase sempre no final da tarde”, destaca o especialista.

Na última segunda-feira, a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil emitiu um alerta com previsão de chuvas fortes para várias regiões do Estado de São Paulo. Um dia após o anúncio, Campinas entrou em Estado de Atenção depois de acumular 81 milímetros (mm) em três dias. Tal classificação de risco é emitida sempre que uma cidade ultrapassa os 80 mm de chuva acumulada em 72 horas.

Além de Campinas, outras quatro cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) também estão em alerta: Monte Mor, com 107 mm registrados; Valinhos com 94,8 mm; Vinhedo com 105,8 mm; e Morungaba com 87,5 mm. Por causa deste cenário meteorológico, a orientação é para que todos que fiquem atentos a qualquer sinal de perigo, como desabamentos, alagamentos, enxurradas e ocorrências relacionadas com raios e vento.

Os reflexos das chuvas fortes foram sentidas em Campinas sobretudo na noite de terça-feira. O temporal causou prejuízos em vários pontos da cidade. Segundo a Defesa Civil, importantes avenidas como a Princesa dOeste, Ruy Rodrigues e Amoreiras, além de um trecho da Rodovia Santos Dumont (SP-075), ficaram alagadas em decorrência do alto volume pluviométrico. Quedas de energia também foram computadas em alguns bairros, como o Centro.

Além disso, uma árvore caiu em cima de uma casa na Rua Antônio Cunha, no Jardim Florence. Ninguém ficou ferido e não foi necessário interditar a residência. A árvore foi retirada do local por uma equipe de plantão do Departamento de Parques e Jardins (DPJ) da Prefeitura. A queda do vegetal lenhoso na região trouxe, inclusive, preocupação para os moradores – que passaram a temer mais acidentes em decorrência de novas tempestades. Alguns deles chegaram, inclusive, a construir barreiras na frente da entrada de suas casas para evitar com que novas chuvas venham a causar alagamentos.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista