Publicado 04 de Fevereiro de 2020 - 16h31

Por Adagoberto F. Baptista

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto/Vídeo: Wagner

Um empresário de 43 anos perdeu o controle de uma caminhonete, invadiu a calçada da Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, atropelou um idoso de 67 anos, derrubou um ponto de ônibus e depois arremessado sobre a arquibancada de um campo de futebol, anteontem à tarde, no Jardim Campos Eliseos, em Campinas. Mariano Alves Ferreira chegou a ser socorrido pelo resgate e levado para o Hospital Mário Gatti, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O motorista da caminhonete nada sofreu. Ele foi levado para a 2ª Delegacia Seccional onde prestou depoimentos e liberado para responder processo de homicídio em direção de veículo automotor. O homem não tinha Carteira de Habilitação. O corpo do idoso foi enterrado na tarde de ontem, no Cemitério dos Amarais.

A tragédia aconteceu por volta das 16h30. Na hora chovia muito e havia acúmulo de água na via, devido a grande enxurrada. O idoso seguia para um mercadinho a pé. O empresário é dono de um lava-jato e ia devolver o veículo em um estacionamento de revenda de automóveis nas proximidades. Ele seguia na Avenida Ruy Rodrigues no sentido bairro ao centro, quando perdeu o controle da direção ao entrar na alça de acesso a Avenida Juscelino Kubitschek e, desgovernado, subiu na calçada, atingiu o idoso, bateu a lateral contra um coqueiro e chicoteou a traseira da caminhonete contra a estrutura de concreto do ponto de ônibus, derrubando-a. Com o impacto, a caminhonete foi lançada sobre a arquibancada do Campo de Futebol Antônio Cláudio, antigo campo do lixão e caiu entre as arquibancadas e o alambrado. “Eu estava logo atrás da caminhonete e vi tudo. O idoso estava de costas e foi lançado para o asfalto. Como chovia muito, havia uma enxurrada alta. A vítima caiu com o rosto dentro da água. Parei meu caminhão e corri para socorrê-lo”, contou o guincheiro Mabel Lima.

Ferreira chegou a ser socorrido pelo resgate do Corpo de Bombeiros, que chegou rapidamente, mas não resistiu aos ferimentos. “Meu pai tinha o hábito de todos os dias, no mesmo horário, buscar suco para meu neto e bisneto dele, que ele adotou faz cinco anos. Ontem, o menino estava na escola e meu pai foi sozinho pegar o suco de açaí, que o menino adora tomar, antes que ele chegasse da escola. Não sei se era a hora dele, mas sei que se tivessem dez pessoas no ponto, todas seriam atingidas”, disse a dona de casa Isbela Maria da Silva, de 58 anos. “Não posso dizer se o motorista estava em alta velocidade ou não, mas naquele trecho há falhas na sinalização e também há muita imprudência dos motoristas”, acrescentou.

Ondulação

De acordo com moradores, aquele trecho das vias é palco de diversos acidentes de trânsito. No ano passado, um ajudante de separação de reciclado foi atropelado por um carro, quando voltava para a sua casa, em uma bicicleta. Segundo eles, a vítima cruzava a Avenida Juscelino Kubitschek.

Na semana passada, em outro trecho da via, do lado oposto, uma mulher morreu após ser atropelada por um veículo. Como a vítima estava sem documentos, ela chegou a ser considerada indigente, mas familiares sentiram a falta dela e sabiam que ela visitaria o namorado naquela região, buscou informações junto ao IML e identificou o corpo.

Outro lado

Em nota, a Emdec informou que a sinalização existente no local está adequada às características da via e aos padrões estabelecidos em normas técnicas e manuais vigentes. “A imprudência ao volante não pode ser relacionada à sinalização viária. É dever de todo motorista dirigir respeitando às Leis de Trânsito. Como amplamente divulgado, o motorista envolvido no triste acidente não possuía carteira de habilitação”, frisou a empresa. “Ainda assim, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) fará uma vistoria no ponto mencionado”, emendou.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista