Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 5h30

A Rede D'Or lançou ontem a pedra fundamental e anunciou que nos próximos dois meses terão início as obras do Hospital São Luiz, no terreno da antiga Rodoviária de Campinas, entre as avenidas Andrade Neves e Barão de Itapura, no bairro Botafogo. A previsão é do fundador e presidente do conselho de administração da rede, Jorge Moll Filho. Somadas as contrapartidas para o Município, o grupo investirá R$ 470 milhões no empreendimento.

A construção será dividida em duas etapas. Primeiro, a fundação e a estrutura civil. Depois, as instalações. A previsão é que a obra seja finalizada em cerca de 30 meses, a contar do seu início, prazo que se encerraria no final de 2022.

A nova unidade contará com mais de 300 leitos, distribuídos entre Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e salas cirúrgicas de última geração, e também vai oferecer serviços de pediatria e maternidade de alta complexidade. A expectativa é que sejam gerados aproximadamente 2 mil empregos diretos.

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), destacou que a construção do hospital particular vai automaticamente promover a revitalização da área. O chefe do Executivo comentou que após a implosão do prédio da antiga Rodoviária, em março de 2010, o terreno se tornou baldio, condição que causava preocupação para os moradores do entorno.

Além disso, Jonas afirmou que o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade será desafogado. Atualmente, frisou, Campinas tem índice entre 30% e 40% de cidadãos que têm convênio médico, mas que procuram atendimento na rede pública.

A escolha de Campinas para a construção da unidade foi motivada por alguns incentivos fiscais previstos em lei municipal. Entre eles, a isenção de taxas, emolumentos e preços públicos junto aos órgãos técnicos. A Rede D'Or terá uma redução do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) — de 5% para 2% — extensiva para área médica hospitalar. Esse benefício será ampliado por 10 anos, quando a unidade já estiver implantada. Haverá também isenção do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) pelo prazo de cinco anos.

Com essas condições, Moll Filho projeta que o investimento na construção do hospital será recuperado em 15 ou 20 anos.

Contrapartidas

Além da revitalização da área no Botafogo e da geração de empregos, Jonas apontou que a Rede D'Or se comprometeu a realizar as intervenções no viaduto na Avenida Lix da Cunha, que custarão em torno de R$ 3,2 milhões e devem ficar prontas em até 15 meses. Serão feitos reparos e recuperação de toda a parte metálica e da superfície de concreto do viaduto. Também serão tratadas as fissuras, promovida uma limpeza em todo o espaço e realizadas correções no pavimento asfáltico, com lixamento, pintura e adequação da sinalização.

Outra ação acordada é a reforma da Policlínica 2, na Avenida Francisco Glicério, no Centro, com investimento em torno de R$ 2,6 milhões. Será realizada a segunda etapa das obras na unidade de saúde contemplando toda a parte de divisórias, revestimentos e as partes elétrica e hidráulica. O prazo será de até seis meses. Ambas as contrapartidas foram formalizadas em um Termo de Acordo e Compromisso (TAC).

A Rede D'Or também assinou um Termo de Compromisso Ambiental TAC) para as compensações pela obra, com o plantio de árvores, já realizado em 2019. Foi compensada uma área correspondente a 10 mil metros quadrados, o equivalente a 20% do empreendimento, que totaliza 50 mil metros quadrados.