Publicado 06 de Fevereiro de 2020 - 5h30

Laudos do Instituto Adolfo Lutz divulgados ontem apresentaram diagnóstico negativo para os três casos suspeitos de contaminação pelo Coronavírus na região de Campinas. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo investigava dois casos em Paulínia — de um homem de 45 anos e de uma mulher de 30 anos — e um em Americana — de uma criança de 3 anos.

Os laudos de ontem do Instituto Adolfo Lutz descartaram também a contaminação do Coronavírus em um homem da Capital.

Por outro lado, dois novos casos foram inseridos na relação de suspeitos, sendo um na Capital e outro no Interior. Com isso, a secretaria mantém o monitorando em quatro casos no Estado — três na Capital e um no município de Bauru. No País, são 11 casos suspeitos de infecção em quatro estados (Rio, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo).

Os quatro casos suspeitos na região apresentaram sintomas e tinham histórico de viagem à China. As pessoas estão bem de saúde, em quadro estável e recebendo cuidados em casa, com isolamento domiciliar.

Até o momento, não há caso confirmado de coronavírus no Brasil. Os dados oficiais estão sendo registrados pelos municípios em um sistema de notificação do Ministério da Saúde.

Conforme foi definido pela Pasta Federal, os casos inseridos até o meio-dia pelos municípios são divulgados no boletim da mesma data. Já os inseridos posteriormente, são divulgados no balanço do dia seguinte.

Os familiares dos pacientes considerados suspeitos estão orientados com relação às medidas necessárias para se prevenirem, com uso de máscaras, higienização das mãos e não compartilhamento de objetos de uso pessoal, bem como sobre os cuidados requeridos para os pacientes, que incluem hidratação e a permanência em casa, sem circulação por outros locais e evitando contato com familiares e amigos, por exemplo.

Helena Sato, diretora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado, destacou o monitoramento 24 horas das equipes. “O monitoramento está em curso, com organismos internacionais e nacionais de saúde, e nossas equipes seguem acompanhando o tema ininterruptamente para que possamos dar respostas rápidas e efetivas quando necessário”, afirmou.

Segundo Sato, é fundamental procurar o serviço de saúde mais próximo se a pessoa apresentar sintomas como febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza, associados aos seguintes aspectos epidemiológicos: histórico de viagem em área com circulação do vírus, contato próximo caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para coronavírus.

A investigação dos casos é realizada pelas secretarias municipais de saúde, com todo apoio técnico da pasta estadual. As amostras biológicas dos pacientes são colhidas pelo hospital onde foram atendidos e enviadas para análise no Instituto Adolfo Lutz.

Os exames consistem numa análise que detecte o genoma do vírus, por meio do chamado PCR (sigla em inglês que significa “Reação em cadeia da polimerase”). São feitos a partir da coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou coleta de secreções da boca e nariz). Os resultados são comunicados pelo Lutz ao município de residência do paciente, responsável por notificar o descarte ou confirmação do caso.

FNP pede audiência com ministro

Na qualidade de presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), disse ontem que solicitou uma audiência com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para tratar e se inteirar sobre o enfrentamento ao Novo Coronavírus.

O pedido formal para o agendamento de uma reunião foi feito na última segunda-feira. Jonas comentou que se propôs a ir até Brasília. A segunda possibilidade sugerida foi Mandetta comparecer no próximo compromisso da FNP, que deve ocorrer no início de março. Essa alternativa, analisa, é a menos interessante, dada a relevância e urgência do assunto. O intuito é de que o ministro converse pelo menos com a executiva formada por cerca de 15 prefeitos.

Sem nenhum caso suspeito em Campinas, Jonas garantiu que a Vigilância Sanitária da cidade segue extremamente atenta. "Temos várias rodovias importantes na região e um aeroporto (Viracopos) movimentado. Não estamos 100% livres", falou. Há poucos dias, o secretário municipal de Saúde, Carmino Antônio de Souza, disse acreditar que o Novo Coronavírus vai chegar ao Município. A análise se embasou justamente na característica cosmopolita de Campinas e na velocidade com que o vírus está evoluindo. "A progressão é mais que geométrica, é exponencial na China", frisou na oportunidade.

Jonas elogiou seu secretário destacando que ele é um profissional respeitado no Brasil e no Exterior. "Eu o tirei da Unicamp. Um dos maiores hematologistas do mundo", frisou, classificando Carmino como uma autoridade no assunto saúde. Na manhã de hoje, Carmino participa de um encontro da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), vinculada ao Ministério da Saúde, na sede da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), em Brasília. Além dele, estarão presentes outros secretários municipais e de estados brasileiros e também o ministro Mandetta. (Daniel Camargo/AAN)

Aviões chegam amanhã à Wuhan

Devem chegar amanhã em Wuhan, na China, as duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) que trarão de volta ao Brasil pelo menos 34 pessoas (brasileiros e parentes) que se encontram na cidade epicentro do surto de coronavírus. As aeronaves VC-2 — uma delas destinada ao transporte presidencial — deixaram o solo brasileiro pouco depois do meio-dia de ontem.

O retorno ao Brasil está previsto para este sábado. Quando chegarem ao Brasil, todos os resgatados, bem como a tripulação de militares e o cinegrafista da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) que estão a bordo, passarão por uma quarentena de 18 dias na cidade de Anápolis (GO), seguindo protocolos e instruções oficiais visando à segurança de todos envolvidos.

Os cidadãos isolados terão tratamento gratuito e o direito de serem informados permanentemente sobre seu estado de saúde. "As pessoas que vão embarcar na China estão sadias e sem evidência da doença. Na chegada ao Brasil, serão feitos exames para identificar quaisquer problemas", disse o responsável pela missão, brigadeiro Damasceno.

Cada avião saiu do Brasil com 18 tripulantes. Desses, sete são da área de saúde (seis médicos militares e um ligado ao Ministério da Saúde).

No total, o governo vai repatriar 34 brasileiros, mas o número pode aumentar até amanhã, data prevista para chegada na China e imediato retorno, indicou secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno. "Temos uma disponibilidade passada para o Ministério das Relações Exteriores e eles vão definir quem são esses passageiros", disse Damasceno. (Das agências Brasil e Estadão Conteúdo)

Total em investigação cai para 11 no Brasil

Balanço divulgado ontem à tarde pelo diretor de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Júlio Henrique Rosa Croda, afirmou que existem 11 casos suspeitos de infecção pelo coronavírus no Brasil. Desses, seis apresentaram painel viral negativo para os principais vírus causadores de doenças respiratórias e cinco ainda esperam que o resultado seja processado em laboratórios.

Os casos suspeitos estão distribuídos em quatro estados: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo Reis, os casos se concentram na região Sul e Sudeste, pois são as que, naturalmente, apresentam maior número de casos de gripe.

Mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, nas últimas 24 horas, duas novas mortes por coronavírus elevaram o número de óbitos até o momento para 492. Entre elas, apenas uma foi fora da China, nas Filipinas.

Em atualização diária sobre a epidemia, a entidade informou que foram registrados 3.925 mil novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas, elevando o número total para 24.554 pessoas infectadas em todo o mundo — 24.363 deles na China.

Entre os pacientes infectados na China, 3.219 são considerados severos. (Agência Brasil)

Mulher contaminada dá à luz bebê que contraiu a doença

Uma mulher diagnosticada com o coronavírus em Wuhan, cidade da China que se tornou o epicentro do coronavírus, deu à luz bebê que também contraiu a doença segundo informações da BBC, divulgadas ontem.

O caso indica a possibilidade de o bebê ter sido contaminado ainda no útero da mãe ou durante o parto. De acordo com a emissora estatal CCTV, o bebê apresenta sinais vitais estáveis.

O recém-nascido é o paciente mais jovem diagnosticado com o novo coronavírus. Na segunda-feira, a agência de notícias Xinhua informou que outro bebê, filho de mãe infectada, nasceu no país, mas sem indícios da doença. (AB)