Publicado 05 de Fevereiro de 2020 - 5h30

A BYD do Brasil, que tem fábricas de painéis solares e de ônibus elétricos em Campinas, vai fornecer o sistema de transporte monotrilho da Linha 17-Ouro, que ligará o Aeroporto de Congonhas, na zona Sul de São Paulo, até a estação Morumbi da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). O consórcio integrado por três empresas do grupo chinês fez a segunda melhor oferta para o serviço: R$ 988,9 milhões. O Consórcio Signalling, que havia apresentado a melhor oferta, foi inabilitado após análise dos documentos.

Ainda cabe recurso administrativo. A empresa aguarda resultado de eventuais recursos para se manifestar. Se o grupo chinês for confirmado vencedor da licitação internacional, será responsável por fornecer 14 trens para a linha do monotrilho, instalação de portas de plataforma nas oito estações da linha e os equipamentos para o sistema de alimentação elétrica, aparelhos de mudança de via e de manutenção dos trens.

Os trens virão da China e serão montados no Brasil, da mesma forma como foi programado para o monotrilho do Subúrbio Ferroviário Salvador, onde o consórcio BYD Skyrail venceu, em 2018, a licitação. Na Bahia, o monotrilho está sendo implantado no modelo parceria público-privada (PPP). Lá, o investimento do governo estadual no modal metropolitano é de R$ 1,5 bilhão. O monotrilho de Salvador está na fase de obras civis. Quando venceu a licitação, a empresa informou que a montagem dos trens seria na Bahia, mas agora com o resultado em São Paulo, a estratégia será revista, porque a empresa ganhou em escala e poderá optar por montar os trens em outro lugar para atender as duas cidades.

Há possibilidade que seja em Campinas, uma vez que a BYD aguarda a licitação do sistema de transporte de Campinas, para negociar com as empresas vencedoras, a produção de ônibus elétricos que integrarão o sistema. A fábrica de Campinas precisará ser ampliada para atender essa demanda.

Já é certo que a fábrica de Campinas fornecerá os painéis solares para as estações do monotrilho de Salvador e, numa segunda etapa, cerca de 300 ônibus elétricos que substituirão a frota atual a diesel para as linhas que integrarão o metrô, o monotrilho e as estações de ônibus.

O monotrilho da Linha 17-Ouro, de São Paulo, foi anunciado em 2010 como promessa para a Copa de 2014. Vários compromissos foram assinados entre o então ministro do Esporte, Orlando Silva, o governo do Estado e a Prefeitura da Capital. Vários problemas ocorreram e as datas para entrada em operação foram sendo alteradas de 2013 para 2019 e, agora, o compromisso do governo do Estado é para concluir até 2022, quando termina a gestão do governador João Doria (PSDB).

As obras do monotrilho vem sendo construídas desde 2011 e decisões judiciais vinham impedindo o reinício. Em janeiro, o Metrô de São Paulo assinou contrato com a empresa Constram para retomar as obras.