Publicado 06 de Fevereiro de 2020 - 7h53

Por Henrique Hein

Ligação com a Rodovia dos Bandeirantes é antiga reivindicação dos moradores do Campo Grande e Ouro Verde

Leandro Ferreira/AAN

Ligação com a Rodovia dos Bandeirantes é antiga reivindicação dos moradores do Campo Grande e Ouro Verde

Após a Agência Reguladora de Transporte (Artesp) anunciar, no final do ano passado, que realiza estudos para criação de um acesso da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348) aos distritos Campo Grande e Ouro Verde, o prefeito de Campinas Jonas Donizette (PSB) disse ontem, durante a inauguração do novo trecho do BRT na Avenida das Amoreiras, que agendará para os próximos dias uma reunião com representantes da Concessionária CCR AutoBAn com o objetivo de discutir a viabilidade do projeto, que atende a uma demanda antiga das duas regiões.

A alternativa que vem sendo estudada é o acesso dos dois distritos por meio da Rodovia Adalberto Panzan (SPI-102/330), que se liga à Bandeirantes no km 95. Dali, por marginal, as duas regiões poderiam ser acessadas pelas avenidas Ruy Rodriguez ou John Boyd Dunlop. Segundo Jonas, a intenção é incluir a construção do acesso como uma das condicionantes à antecipação da renovação da concessão do Sistema Anhanguera-Bandeirantes, que vence em 2026.

“A gente quer conversar com a concessionária para que, caso haja prorrogação do contrato, essa obra esteja embarcada dentro desse novo contrato”, destacou.

Como os estudos ainda são iniciais, a Artesp não tem previsão de custo para a obra. No ano passado, logo após confirmar o estudo do acesso, a agência de transportes destacou, em nota, que a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348) é uma pista “classe zero” e que, portanto, é planejada para ter o mínimo de acessos a fim de garantir tráfego contínuo, fluidez de veículos e viagens mais rápidas.

“O projeto a ser implantado terá de levar em consideração essa característica da rodovia, que inviabilizaria a implantação de acessos ou de uma marginal diretamente na Bandeirantes”, frisou a nota.

No ano passado, o governador Márcio França (PSB) chegou a informar ao então presidente da Câmara Municipal de Campinas, Rafa Zimbaldi, que autorizaria a Artesp a construir as alças de acesso. Isso, no entanto, não chegou a ser efetivado e a alternativa que o atual governo estuda é construir outro modelo de acesso, com marginais, que será pago pela concessionária na renovação antecipada da outorga.

Zimbaldi, autor das leis que criaram os dois distritos, vem defendendo que os acessos são fundamentais, pois, segundo ele, darão mais vazão e fluidez ao trânsito dos dois distritos. Além disso, a ligação com a Rodovia dos Bandeirantes seria uma alternativa mais eficiente para quem se locomove naquelas regiões e em especial para as quase 500 mil pessoas que moram no Ouro Verde e no Campo Grande.

Escrito por:

Henrique Hein